Superliga: espanhóis falam em multa de 300 M€, Arsenal diz que não chega a 9 M€

Superliga: espanhóis falam em multa de 300 M€, Arsenal diz que não chega a 9 M€
Redação

Versões conflituosas sobre os valores a pagar pelos clubes que recuaram do projeto.

Há versões conflituosas sobre os valores de indemnização a pagar pelos clubes que desistiram do projeto de criação da Superliga Europeia: de um lado, há quem aponte a uma "multa" astronómica, do outro, garantem que não chega "sequer" aos nove milhões de euros.

Mas vamos por partes. O choque de verbas foi gerado esta sexta-feira, quando o o portal espanhol "Vozpopulí" revelou que os emblemas desistentes da Superliga teriam de desembolsar cerca de 300 milhões de euros como compensação, valor que estaria estipulado no "contrato vinculativo" mencionado por Florentino Pérez, presidente do Real Madrid e principal impulsionador da competição.

Uma cláusula estratosférica, que adquire maior dimensão tendo em conta os problemas financeiros causados pela pandemia de covid-19, transversais aos maiores clubes do planeta.

Os 300 M€ em questão representam uma disparidade acentuada em relação às palavras proferidas por Vinai Venkatesham, CEO do Arsenal - um dos emblemas que abandonaram a Superliga -, sobre os contornos da saída dos clubes do grupo de fundadores: "O valor não chega aos nove milhões de euros de que falam", referiu, na quinta-feira.

No ar pairam as dúvidas sobre a veracidade de cada uma das versões. Florentino Pérez vincou, ainda na quarta-feira, que, apesar dos comunicados emitidos pelos clubes, nenhum dos desistentes estava oficialmente desligado da Superliga, devido aos compromissos assumidos no referido contrato. Um tema que promete continuar a dar que falar...