Sobrevivente do tragédia, Follmann deixa cargo na Chapecoense

Sobrevivente do tragédia, Follmann deixa cargo na Chapecoense
Redação

Jackson Follmann era ex-jogador do clube e exerceu o cargo de embaixador

O ex-guardião da Chapecoense, Jackson Follmann, revelou ir sair do clube, onde agora exercia funções de embaixador. O ex-atleta tinha funções importantes na constituição do plantel, mas avança agora para "projetos pessoais", retirando-se da atividade junto ao futebol. Avança o "Globoesporte" que se irá dedicar à música depois de já ter rescindido o contrato de embaixador que tinha há quatro anos.

Follmann tem atualmente 29 anos e foi um dos três sobreviventes na equipa do desastre aéreo que vitimou a maioria dos jogadores da Chapecoense a 29 de novembro de 2016. O despenhamento matou 71 pessoas na Colômbia e Follmann não mais pôde jogar depois de ter parte da perna direita amputada no resgate.

Alan Ruschel, que ainda joga, transferiu-se para o Cruzeiro, sobrando apenas Neto, que exerce funções técnicas na Chape.

"Desde dia 16 de março, meu vínculo profissional com a Chapecoense terminou. Nunca imaginei na minha vida que entraria neste clube como um rapaz sonhador e sairia dele imortalizado como um exemplo de motivação e superação. Aquela equipa de 2016 conquistou não só o coração de Chapecó, de Santa Catarina, mas também do Brasil e do mundo. A minha relação com a Chape é eterna. É o meu clube de coração e vou levá-la para toda minha vida. Aqui, conquistei as maiores glórias da minha carreira e também tive os maiores sofrimentos da minha vida", despediu-se Follmann.