Shevchenko: "A única maneira de parar a guerra é dizendo a verdade ao povo russo"

Shevchenko: "A única maneira de parar a guerra é dizendo a verdade ao povo russo"
Redação

O treinador Shevchenko (atualmente sem clube) está em Londres, mas tem família e amigos na Ucrânia.

Andriy Shevchenko, ex-selecionador da Ucrânia e antigo futebolista, falou mais uma vez publicamente acerca da guerra da Ucrânia, explicando que tem família e amigos na frente de batalha, mas que essas pessoas e todo o povo ucraniano estão unidos em travar a ofensiva russa e não vão desistir de defender o seu país.

"Eu quero apenas uma coisa: que haja paz no meu país, que parem de matar pessoas inocentes, crianças. Não podemos permitir que isto continue. Sentimos cada bomba que cai no chão, porque as casas ficam a tremer. Neste momento, os russos cercam as cidades e, simplesmente, bombardeiam-nas. Eles não param. Nem sequer permitem ao povo ucraniano que abra corredores humanitários. A minha mãe, a minha irmã, os meus tios, o meu primo, os meus amigos... estão todos lá. Alguns na linha da frente. Dão tudo pelo nosso país, pela liberdade, pelo nosso orgulho. Nós defendemos, lutamos. É o que precisamos de fazer, não há outra opção", desabafou numa entrevista ao jornal inglês Daily Mail.

O treinador, que esta época passou pelo Génova, elogiou também os desportistas, com particular destaque aos futebolistas, que bem conhece, por continuarem a jogar e a representar a Ucrânia mesmo em momentos difíceis. Um dos nomes apontados foi o de Yaremchuk, avançado do Benfica.

"Digo sempre aos rapazes para continuarem a jogar. Para jogarem pela Ucrânia. O mundo do desporto é muito unido e está contra a guerra. O Zinchenko, o Mykolenko, o Yarmolenko, o Yaremchuk, é muito importante que eles continuem a jogar, eu apoio-os. Estamos todos unidos e todos temos de fazer o que pudermos. Se apoiarem os nossos atletas, estão a apoiar a Ucrânia", assegurou, elogiando também o presidente Zelensky.

"A posição do presidente Zelensky foi muito importante. Ele podia ter saído, mas enviou uma mensagem clara, dizendo que íamos ficar e defender o nosso país. Isso uniu o povo ucraniano. Não vamos desistir. A Ucrânia é independente há apenas 30 anos, foi quando comecei a jogar futebol. Desde o primeiro dia, sempre tive orgulho em ser ucraniano e ninguém vai mandar em nós", afiançou o antigo ponta de lança.

Shevchenko frisou que a maioria dos russos não sabem o que realmente está a acontecer na Ucrânia e que dizer-lhes a verdade é a melhor maneira de acabar com a guerra.

"A melhor maneira de o fazer é dizer a verdade. Sinto muito pelos jornalistas que estão a perder a vida. Os que estão na linha da frente a tentar dizer a verdade ao Mundo e acabam mortos. O Jordan [filho mais velho de Shevchenko] até tem estado envolvido comigo, veio aos protestos em Londres. Sabe o que está a acontecer. Crianças inocentes estão a morrer sem motivo nenhum. É para isto que trabalho, para parar esta guerra. A minha mensagem é sempre essa. Sei que não é fácil, é perigoso. Mas a única maneira de parar a guerra é dizendo a verdade. A maioria das pessoas na Rússia não a sabe", lamentou.