Senado francês aprova proibição de véus na cabeça em competições desportivas

Senado francês aprova proibição de véus na cabeça em competições desportivas
Redação com Lusa

Alteração proposta pelo partido de direita Les Républicains (Os Republicanos, em português) era contestada pelo Governo francês. Publicação do texto dependente de reunião

O Senado francês aprovou, esta quarta-feira, a proibição do uso de véus na cabeça em competições desportivas, com 160 votos a favor e 143 contra, argumentando que a imparcialidade é um requisito no "campo de jogo".

A Câmara Alta francesa votou a favor da alteração de um projeto de lei que estipula que o uso "de símbolos religiosos visíveis" é proibido para participar em eventos e competições organizados por federações desportivas.

Os senadores disseram claramente que a emenda visa proibir "o uso do véu em competições desportivas". A alteração proposta pelo partido de direita Les Républicains (Os Republicanos, em português) era contestada pelo Governo francês.

Uma comissão composta por membros do Senado e da Câmara dos Deputados deve reunir-se agora para chegar a um acordo sobre o texto antes da sua publicação, o que significa que a emenda pode ser eliminada.

Não é claro se a proibição seria implementada nos Jogos Olímpicos de Paris em 2024. O comité organizador não respondeu a um pedido de comentário, feito pela agência de notícias AP.

A votação aconteceu um ano depois de os deputados da câmara baixa do parlamento francês terem aprovado um projeto de lei para fortalecer a supervisão de mesquitas, escolas e clubes desportivos, numa tentativa de proteger a França de radicais islâmicos e promover o respeito aos valores franceses - um dos projetos do presidente Emmanuel Macron.

Com a França marcada por ataques terroristas, poucos são os que discordam de que a radicalização é um perigo, mas os críticos também olham para lei como uma manobra política par atrair a ala direita para o partido centrista de Macron antes das eleições presidenciais deste ano.

Na emenda, os senadores observaram que todos os cidadãos são livres de exercer a sua religião, mas insistiram que todos deveriam se abster de expor as suas diferenças.

"Hoje, há insegurança jurídica sobre o uso de símbolos religiosos e é necessário que o Estado defina regras de forma clara. Se o uso do véu não for explicitamente proibido, poderemos ver o nascimento de clubes desportivos comunitários que promovam certos símbolos religiosos", lê-se na emenda.

A Federação Francesa de Futebol (FFF) já proíbe as mulheres de usar lenços na cabeça em jogos oficiais, bem como em competições que organiza.