Ronaldo atinge marca especial, Juventus vence, mas Champions continua difícil

Ronaldo atinge marca especial, Juventus vence, mas Champions continua difícil
Redação com Lusa

Triunfo da equipa de Turim em casa do Sassuolo, por 3-1, na ronda 36 da Serie A. Concorrência não deu tréguas na luta por um lugar na prova milionária.

O português Cristiano Ronaldo chegou esta quarta-feira aos 100 golos pela Juventus, na vitória por 3-1 sobre o Sassuolo, em jogo da 36.ª jornada que permitiu aos bianconeri manterem-se na perseguição aos primeiros lugares da Liga italiana de futebol.

Ao 131.º jogo oficial com a camisola da Juventus, o avançado luso atingiu a marca centenária, aos 45 minutos, já depois de o francês Adrien Rabiot ter adiantado a Juventus, aos 28, e de Domenico Berardi ter falhado uma grande penalidade que daria vantagem ao Sassuolo, aos 16.

Ronaldo, que é o melhor marcador da Serie A, com 28 tentos, tornou-se no primeiro jogador da história a ultrapassar a centena de golos em três países diferentes, depois de já ter marcado 118 pelo Manchester United e 450 pelo Real Madrid, além dos 103 que contabiliza pela seleção portuguesa.

Giacomo Raspadori reduziu a diferença para o conjunto da casa, aos 59 minutos, só que o argentino Paulo Dybala não quis ficar atrás do companheiro de equipa e também ele assinou o 100.º tento pela "Juve", aos 66, fixando o resultado.

A duas rondas do final, a Juventus segue em quinto lugar e fora das vagas de acesso à Liga dos Campeões, com 72 pontos, menos um do que o Nápoles (73), quarto, e menos três do que Atalanta, segundo, e AC Milan, terceiro, ambos com 75.

A formação de Bérgamo venceu por 2-0 o Benevento e praticamente sentenciou o antepenúltimo colocado à descida, graças aos golos do colombiano Luis Muriel, aos 22 minutos, e do croata Mario Pasalic, aos 67.

Já os rossoneri marcaram sete golos num jogo do campeonato 25 anos depois e impuseram a maior vitória da presente edição da Serie A, com uma goleada caseira por 7-0 sobre o "aflito" Torino, que continua perto da zona de despromoção, embora tenha um jogo em atraso.

Theo Hernández, aos 19 e 62 minutos, Franck Kessié, aos 26, de grande penalidade, e Brahim Díaz, aos 50, construíram uma confortável vantagem para o AC Milan, que dilatou ainda mais o marcador através de um "hat-trick" do croata Ante Rebic, aos 67, 72 e 79, numa partida na qual os portugueses Diogo Dalot e Rafael Leão foram lançados na segunda parte.

Quanto ao líder e já consagrado campeão Inter de Milão (88 pontos) venceu por 3-1 na receção à Roma, treinada pelo português Paulo Fonseca e que na próxima temporada será dirigida por José Mourinho.

Os nerazzurri marcaram por intermédio de Marcelo Brozovic, aos 11 minutos, Matias Vecino, aos 20, e pelo vice-líder dos "artilheiros", o belga Romelu Lukaku (22 golos), aos 90, sendo que, pelo meio, aos 31, o arménio Henrikh Mkhitaryan reduziu para os romanos, que ocupam a sétima posição, com 58 pontos.

O 20.º golo de Ciro Immobile na Serie A, aos 90+5 minutos, garantiu a vitória sofrida da Lazio sobre o já despromovido Parma, por 1-0, e manteve intactas as esperanças dos laziali em chegarem ao top 4 e a um lugar de Champions, tendo em conta que estão no sexto posto, com 67 pontos, e têm menos um jogo.

A Sampdoria, sem Adrien Silva, lesionado, cedeu um empate 2-2 com o Spezia, enquanto Cagliari e Fiorentina "anularam-se" (0-0) na Sardenha. Por seu lado, o Genoa confirmou a permanência no primeiro escalão, graças ao triunfo por 2-0 sobre o Bolonha.