PSG despediu diretor desportivo Leonardo horas após renovação de Mbappé

PSG despediu diretor desportivo Leonardo horas após renovação de Mbappé
Redação com Lusa

Assim que as comemorações terminaram, foram vários os órgãos de comunicação, entre os quais a emissora Prime Video, a RMC, o Le Parisien e o L'Équipe, a avançarem com a decisão do clube em se separar do homem forte do futebol.

O antigo futebolista internacional brasileiro Leonardo foi despedido do cargo de diretor desportivo do PSG, segundo avançou à imprensa uma fonte ligada ao processo.

O anúncio do despedimento de Leonardo, de 52 anos, que estava no cargo desde 2019, aconteceu algumas horas após a renovação do contrato de Kylian Mbappé até 2025, comunicada ainda antes do jogo com o Metz, no qual o avançado francês fez um hat trick.

Assim que as comemorações terminaram, foram vários os órgãos de comunicação, entre os quais a emissora Prime Video, a RMC, o Le Parisien e o L'Équipe, a avançarem com a decisão do clube em se separar do homem forte do futebol.

O PSG, presidido por Nasser Al-Khelaifi, pretenderá, à boleia do novo compromisso com Mbappé, revigorar o seu projeto desportivo, e o português Luís Campos, que teve funções similares no Mónaco e no Lille, pode, segundo a imprensa, vir a ser o novo diretor desportivo.

No sábado, Mbappé colocou um ponto final na possibilidade de assinar pelo Real Madrid, ao prolongar o vínculo, que terminava esta época, num contrato cujos valores não são oficiais, mas ao que tudo indica elevará substancialmente a fasquia financeira.

De acordo com a imprensa, o avançado receberá de prémio cerca de 300 milhões de euros, e um salário anual líquido a rondar os 100 milhões (cerca de 1,9 ME por semana).

O negócio levou já a Liga espanhola de futebol a anunciar que vai denunciar o PSG à UEFA e às instâncias competentes da União Europeia pela renovação com o avançado Kylian Mbappé, em defesa do "ecossistema económico do futebol europeu".

Segundo o organismo liderado por Javier Tebas, é "escandaloso que um clube como o PSG, que na última temporada perdeu mais de 220 milhões de euros e acumulou prejuízo de 700 milhões" ao longo das épocas, possa "fazer frente a um acordo destas características".