"O tratamento do Barcelona a Braithwaite roça a intimidação e o assédio"

"O tratamento do Barcelona a Braithwaite roça a intimidação e o assédio"
Alexandre Dionísio

O avançado dinamarquês recusa sair do clube sem receber o valor correspondente aos dois anos que lhe restam de contrato.

Com o fecho do mercado a aproximar-se, Martin Braithwaite ainda é um avançado do Barcelona, apesar de não poder estar mais longe dos planos do clube para a nova temporada.

O Barcelona pretende a sua saída, mas o avançado dinamarquês recusa rumar a outras paragens sem receber a compensação devida pelos dois anos que lhe restam no vínculo com o clube.

Essa atitude tem feito o Barcelona ficar cada vez mais frustrado com o jogador, que já foi alvo, inclusive, de assobios por parte de adeptos do clube.

Ora, esta quinta-feira, Michael Sahl Hanse, diretor da Associação de Jogadores Dinamarqueses, saiu em defesa do dianteiro, acusando o conjunto catalão de estar a exercer uma atitude que "roça a intimidação e o assédio".

"O tratamento que o Martin [Braithwaite] está a experienciar é completamente escusado. É algo que roça a intimidação e o assédio. É vergonhoso que o Barcelona esteja a tentar expulsá-lo do seu contrato, do seu trabalho. Um jogador que os ajudou quando estavam a precisar está agora mergulhado em desgraça. Onde está a decência?", reclamou o dirigente.

Para Hanse, a única opção que deve estar em cima da mesa é a continuidade de Braithwaite em Camp Nou, nem que seja por uma questão de "respeito".

"Um contrato é um contrato, o Barcelona e o Martin comprometeram-se por mais dois anos. Martin deve continuar a cumprir a sua parte do negócio e o Barcelona também. Para além disso, isso significaria que um dos maiores clubes do mundo estaria a tratar um dos seus jogadores com o respeito que merecem", finalizou.