"O projeto do PSG, à medida que avança, faz com que a paciência fique menor"

"O projeto do PSG, à medida que avança, faz com que a paciência fique menor"
Redação

Mauricio Pochettino garantiu que a passagem pelo banco de Paris foi uma "experiência muito positiva" e mostrou confiança em que o PSG, no futuro, levante a tão ambicionada Liga dos Campeões.

Mauricio Pochettino concedeu esta segunda-feira a primeira entrevista desde que saiu do comando técnico do PSG, em inícios de julho.

Em conversa com o site argentino Infobae, o treinador começou por garantir que não guarda mágoas da sua passagem pelo campeão francês, acrescentando que o PSG reúne todas as condições para um dia levantar a Liga dos Campeões - um objetivo que não conseguiu cumprir e que levou à sua saída.

"Foi uma experiência muito positiva treinar o PSG. Fracasso? Não foi só na época passada. O PSG, especialmente nos últimos dez ou 11 anos, com a chegada dos novos donos, tem o objetivo de ganhar a Liga dos Campeões e eu penso que os meios estão lá. Às vezes, o futebol não corre como alguém espera, existem fatores que não podem ser controlados mas, ao insistir ano após ano, o PSG um dia vai consegui-lo", considerou.

Recentemente, a Imprensa francesa noticiou que o PSG está a ponderar a contratação de um psicólogo para a equipa principal, de forma a evitar remontadas como a operada pelo Real Madrid na época passada, nos oitavos de final da Liga dos Campeões.

Sobre isso, o técnico argentino brincou que muitas equipas deveriam adotar uma posição semelhante e vincou que "o futebol não deve ir além do que é uma análise de jogo".

"Penso que existe uma falta de Benzema sobre Donnarumma e que, se tivesse sido revista pelo VAR, hoje estaríamos a falar de outra coisa, sobre a eliminação do Real Madrid. Esse momento foi o que trouxe muita crença, uma energia diferente em campo e, logicamente, levou a alguns erros da nossa parte", apontou.

"Temos de entender que o projeto do PSG, à medida que avança, faz com que a paciência fique cada vez menor. A exigência é maior, mas as circunstâncias são o que são. Dominar a Liga francesa e as competições internas deixaram de ser importantes para os adeptos. Está tudo focado na Liga dos Campeões e parece que não vale a pena haver a mesma exigência nas outras competições", explicou Pochettino.

Pochettino, em jeito de conclusão, considerou que Lionel Messi "é o melhor jogador do mundo" e que Kylian Mbappé é um sério candidato a sucessor do argentino, não fechando ainda a porta a treinar um dia no campeonato argentino.