O adeus da seleção argentina a Maradona: "Eterno"

O adeus da seleção argentina a Maradona: "Eterno"
Redação com Lusa

Maradona, considerado um dos melhores futebolistas da história, morreu esta quarta-feira na sua residência, na Argentina, aos 60 anos.

A seleção argentina de futebol lembrou Diego Armando Maradona, que morreu esta quarta-feira aos 60 anos, como um futebolista "eterno" que vai ficar para sempre na memória do "planeta futebol".

"Até sempre, Diego. Serás eterno em cada coração do planeta futebol", lê-se numa curta mensagem no Twitter oficial da seleção argentina.

Também a Federação Argentina (AFA), "através do seu presidente Claudio Tapia, manifesta a mais profunda dor pelo falecimento" da "lenda" Diego Armando Maradona.

O Boca Juniors, clube no qual jogou antes de se mudar para a Europa e no qual terminou a carreira, lamentou a morte de Maradona com uma curta e sentida mensagem: "Agradecimento eterno. Eterno Maradona".

"Não há palavras", considera o Newell's Old Boys, outro dos clubes pelo qual passou o "astro" argentino.

Maradona começou a carreira no Argentino Juniors, que fala em "Diego Eterno", numa mensagem acompanhada por imagem com um 10, número sempre utilizado pelo astro, e o seu ano de nascimento, 1960, e um símbolo de infinito.

Maradona, considerado um dos melhores futebolistas da história, morreu hoje na sua residência, na Argentina, aos 60 anos, anunciou o seu agente e amigo Marias Morla.

Segundo a imprensa argentina, Maradona, que treinava os argentinos do Gimnasia y Esgrima, sofreu uma paragem cardíaca na sua vivenda na província de Buenos Aires.

A sua carreira de futebolista, de 1976 a 2001, ficou marcada pela conquista, pela Argentina, do Mundial de 1986, no México, e os dois títulos italianos e a Taça UEFA arrebatada ao serviço dos italianos do Nápoles.