"Não é o Real Madrid que vai dizer à UEFA o que fazer"

"Não é o Real Madrid que vai dizer à UEFA o que fazer"

Aleksander Ceferin respondeu esta quarta-feira à indignação surgida em Espanha após a renovação de Mbappé pelo PSG

O presidente da UEFA respondeu ontem às críticas que o presidente da liga espanhola, Javier Tebas, fizera a propósito da renbovação de Mbappé pelo Paris Saint-Germain. Tebas rotulara o novo contrato do internacional francês como um "escândalo", com Aleksander Ceferin a replicar acenando com as regras do fair-play financeiro. A UEFA, disse Ceferin à BBC, tem "regras de fair-play financeiro que são muito rígidas". "Quem estiver disposto a respeitar as nossas regras é bem-vindo nas nossas competições, ao contrário de quem não respeitar essas regras", disse ainda.
O dirigente esloveno atacou, depois, o próprio Real Madrid, que, recorde-se, pretendia contratar Mbappé: "Não será o Real Madrid nem ninguém a dizer à UEFA o que fazer. Eles sentiram-se escandalizados, mas tanto quanto sei a proposta que fizeram [a Mbappé] era semelhante [à do PSG]."
Depois de Javier Tebas ter censurado a renovação do jogador com o clube parisiense e publicado na rede social twitter dados sobre os prejuízos do emblema que é propriedade do estado do Catar (através de um fundo soberano do país), Ceferin apontou a outros exemplos, dizendo-se "cansado" dos que se queixam da permissividade da UEFA em relação a clubes detidos por estados.

"Já o disse muitas vezes e volto a afirmar, deem-me um argumento para que eles não possam ser donos de um clube. Se dizem que os clubes pertencem aos adeptos, não estão a dizer que os clubes ingleses têm donos - eles têm donos que são dos Estados Unidos, alguns do Médio Oriente, outros de Inglaterra. Por isso, é exatamente a mesma situação e estou mesmo cansado destas acusações sem qualquer fundamento", atirou o presidente da UEFA, deixando um aviso final: "Quero saber quem não cumpriu as regras e quem não as cumprir será castigado".