Lukaku já comentou a primeira página do Corriere dello Sport

Lukaku já comentou a primeira página do Corriere dello Sport

A polémica subiu de tom esta quinta-feira, com a primeira página do jornal Corriere dello Sport.

Numa altura em que as manifestações e os atos de racismos nos estádios italianos estão constantemente na ordem do dia, a polémica subiu de tom esta quinta-feira, com a primeira página do jornal Corriere dello Sport.

"Black Friday", pode ler-se a acompanhar fotografias de Lukaku, jogador do Inter, e Smalling, defesa da Roma . Alguns clubes da Serie A não ficaram indiferentes e recorreram às redes sociais para repudiarem a escolha editorial da publicação.

"Sem palavras", escreveu a Fiorentina no Twitter, reproduzindo a imagem da referida manchete. O Inter faz eco da luta contra o racismo: "Futebol é paixão, cultura e irmandade. Somos e sempre seremos contra qualquer forma de descriminação", assinalam os "nerazzurri".

O Milan foi mais extensivo nas críticas: "É totalmente inaceitável ver esta ignorânica casual sobre o racismo. Não vamos manter o silêncio sobre este assunto".

Entretanto, o diretor do Corriere dello Sport, Ivan Zazzaroni, redigiu um editorial sobre o tema, falando em "elogio da diferença". "'Black Friday', para aqueles que querem perceber, foi e é apenas o elogio da diferença, o orgulho da diferença, a riqueza magnífica da diferença. Se não percebem isso, ou é porque não conseguem fazê-lo. Um título inocente, mas perfeitamente justificado por Roberto Perrone [jornalista], que é transformado em veneno por aqueles que têm veneno no seu interior", assinala o jornalista.

Apesar da explicação, Lukaku não pareceu convencido e reagiu: "No lugar de focar-se na batalha entre duas equipas, o Corriere dello Sport avançou com a manchete mais idiota que vi em toda a minha carreira. [...] Deviam fazer melhor o vosso trabalho porque assim só alimentam o problema do racismo", escreveu na rede social Twitter.

Smalling, orientado pelo português Paulo Fonseca na Roma, foi o primeiro a reagir, dizendo que o jornal italiano foi "altamente insensível" e afirmando que espera que os editores "percebam o poder que têm" através das palavras que usam.

Refira-se ainda que na sequência desta manchete, Roma e Milan anunciaram, em comunicado, que vão barrar os jornalistas daquela publicação do centro de treinos dos respetivos clubes até ao final do ano. Além disso, os jogadores de ambos os clubes não poderão prestar declarações ao diário italiano até ao fim de 2019.

"Jogadores, clubes, adeptos e órgãos de comunicação social devem estar unidos contra o racismo. Todos têm a responsabilidade na escolha de palavras e mensagens a transmitir", pode ler-se no comunicado.