Jogador inglês revela que necessitou de ajuda psicológica no Euro'2020

Jogador inglês revela que necessitou de ajuda psicológica no Euro'2020
Redação

Mings, central do Aston Villa, detalhou em entrevista ao 'The Sun' a forma como a desconfiança dos adeptos ingleses influenciou a sua capacidade mental

Cerca de um mês após terminar o último Campeonato da Europa, prova na qual foi utilizado pelo selecionador inglês Gareth Southgate, o defesa Tyrone Mings confessou que necessitou de ajuda psicológica para dominar a pressão inicial na prova.

"Estive mal, antes do primeiro jogo, com a Croácia. Quando 90 ou 95 por cento do teu país tem dúvidas sobre ti, é muito difícil evitar que isso não se intrometa nos teus pensamentos. A minha saúde mental desmoronou-se", afirmou Mings.

Em entrevista ao 'The Sun', divulgada esta segunda-feira, o central inglês, utilizado nos jogos ante a Croácia, Escócia e Chéquia (fase de grupos), revelou também que a desconfiança dos adeptos sobre a sua capacidade lhe tirou o sono na noite pré-estreia.

"Realmente não dormi muito bem antes do primeiro jogo. Não tenho vergonha em admitir isto porque havia muitas incógnitas sobre mim. Provavelmente, era o único da equipa [inglesa] sobre quem toda a gente pensava 'não estou seguro sobre ele'. Tive que superar isso", admitiu Tyrone Mings, atual jogador do Aston Villa.

Para conseguir dar a volta por cima, o futebolista de 28 anos de idade trabalhou "muito com o psicólogo" pessoal durante a estadia no Euro'2020. "Deram-me mecanismos para lidar com isto [pressão], como respirar e meditar", detalhou.

O pior terá ficado para trás e, em função do trabalho psicológico, a resiliência mental é superior. Na entrevista ao 'The Sun', Tyrone Mings assegurou, por fim, que "agora" se sente "mais fortalecido contra as influências externas".