Superliga Europeia: nem subidas, descidas ou fair-play financeiro

Superliga Europeia: nem subidas, descidas ou fair-play financeiro

De acordo com o diário alemão Bild, Stephen Ross, impulsionador do projeto, quer uma competição restrita a 24 equipas

Stephen Ross, empresário norte-americano organizador do torneio International Cup, quer criar uma Superliga Europeia como alternativa à Liga dos Campeões.

A intenção já não é novidade, mas agora, segundo o jornal alemão Bild, conhecem-se algumas ideias relativas ao formato que estão a ser negociadas com os clubes das cinco grandes ligas europeias - Inglaterra, Espanha, Alemanha, França e Itália.

De acordo com o Bild, Ross quer reunir 24 equipas, provenientes dos cincos principais campeonatos, numa competição sem promoções e despromoções e sem as regras do fair-play financeiro, impulsionadas pela UEFA. É suposto que os campeonatos nacionais decorram sem alterações ao cenário atual.

Por outro lado, os defensores da Superliga europeia acreditam que podem ter conquistado um trunfo graças...à patinagem no gelo.

Os patinadores denunciaram a ISU - organização mundial de patinagem - por estarem proibidos de participar em provas de outras organizações. A Comissão Europeia deu provimento à queixa e, agora, existe a esperança de que se aplique a mesma decisão, caso a UEFA pretenda expulsar os clubes que adiram à Superliga das ligas nacionais.

Por enquanto, os clubes querem pressionar o organismo que tutela o futebol europeu a alterar as regras relativas às inscrições dos jogadores. A ideia é que os futebolistas transferidos no mercado de inverno que tenham participado na Liga dos Campeões ou Liga Europa possam, ao contrário do que acontece agora, jogar nessas competições pelos novos clubes.