Marcos Rojo "foge" de Punta Cana após quatro mortes misteriosas

Marcos Rojo "foge" de Punta Cana após quatro mortes misteriosas

Minibares, uísques, mortes, Punta Cana... e o argentino foi embora

O defesa argentino Marcos Rojo estava a passar férias com a família num hotel de luxo em Punta Cana, na República Dominicana, mas decidiu vir embora quando se apercebeu de um conjunto de estranhas circunstâncias relacionadas com as mortes de quatro turistas.

O primeiro falecimento suspeito foi o de Robert Bell Wallace, turista de 67 anos que tinha estado no mesmo resort do que Rojo. No dia 11 de abril, Wallace sentiu-se mal e começou a urinar sangue depois de ter tomado um uísque que estava disponível no minibar do seu quarto. Três dias depois, faleceu no hospital local.

A 25 de maio, num outro resort da mesma localidade, a norte-americana Miranda Schaup-Werner, de 41 anos, também morreu depois de ingerir uma bebida do minibar.

Cinco dias depois, Edward Holmes, 63 anos, e Cynthia Day, 49, foram encontrados mortos num quarto do mesmo estabelecimento.

Assustado com as coincidências, Rojo decidiu não arriscar e foi descansar para outras paragens mais sossegadas.

11002531