Ligas europeias reiteram oposição à Superliga proposta pela UEFA

Ligas europeias reiteram oposição à Superliga proposta pela UEFA
António Barroso

Direção da European Leagues reuniu-se na Polónia e insistiu: nem prova fechada para elites, nem mais jogos, muito menos ao fim de semana. E mais dinheiro para todos.

A Direção da European Leagues (EL), a associação europeia das ligas profissionais de futebol, reiterou hoje a sua oposição ao projeto de Superliga Europeia, em substituição das atuais competições continentais entre clubes.

Em comunicado proferido após a reunião da Direção do organismo, que hoje decorreu em Varsóvia, Polónia, é liminarmente rejeitada a proposta da UEFA, que conta com o apoio da ECA (Associação Europeia de Clubes) e que prevê a disputa de uma competição fechada, com promoções e despromoções, que substituiria a Liga dos Campeões e Liga Europa a partir de 2024.

Ao mesmo tempo, Alberto Colombo, secretário geral adjunto da EL, afirmou, aos italianos do Corriere Della Sera: "Existe unanimidade e coesão entre todas as ligas contra a proposta".

"A defesa do mérito desportivo e a qualificação para as competições através dos campeonatos nacionais" continua a sua um dos princípios sublinhados por Colombo, no que diz respeito ao papel das ligas, a que junta mais dois: "Não a mais jogos europeus, muito menos ao fim de semana, e maior solidariedade na distribuição do retorno financeiro, de modo a proteger o equilíbrio das provas domésticas e a sustentabilidade de todos os clubes europeus".

Em comunicado, o organismo considera ser um imperativo da UEFA "projetar as mudanças em conjunto com todas as partes desde o seu primeiro esboço".

O presidente da Liga portuguesa, Pedro Proença, integra a Direção da European Leagues, mas o organismo luso esteve representado, na referida reunião, pelo diretor executivo João Martins.