Baciro Candé no lugar de Paulo Torres

Baciro Candé no lugar de Paulo Torres

Baciro Candé, atual treinador do Sporting de Bissau, foi convidado por ser "dos poucos técnicos guineenses com o quarto nível" de formação

A Federação de Futebol da Guiné-Bissau convidou o guineense Baciro Candé para substituir o português Paulo Torres no cargo de selecionador.

Baciro Candé, atual treinador do Sporting de Bissau, foi convidado por ser "dos poucos técnicos guineenses com o quarto nível" de formação e, ainda, por ter sido, há oito anos, selecionador do país, referiu o dirigente.

"Tudo indica que Baciro Candé vai aceitar o convite da federação e já no próximo jogo, no mês de marco, estará no comando da seleção nacional", acrescentou Joãozinho Mendes, referindo que as decisões foram tomadas na última reunião do comité executivo, realizada na quinta-feira.

Questionado sobre a situação de Paulo Torres, que ainda tem um contrato com a federação guineense, que deve terminar em dezembro, Joãozinho Mendes remeteu para o Governo a resolução do problema.

"Desde o nosso último jogo, em outubro, que a federação comunicou ao Governo que prescinde do trabalho do selecionador. Agora, cabe à secretaria de Estado do Desporto arranjar uma saída para a situação", defendeu Mendes.

Paulo Torres foi despedido pelo presidente da federação, Manuel Nascimento Lopes, no dia 13 de outubro, em pleno estádio, após a derrota da Guiné-Bissau por 1-3 diante da Libéria.

O jogo contava para a fase pré-eliminatória do apuramento para o Mundial de Futebol de 2018, a realizar-se na Rússia, prova da qual o país ficou afastado.

Na Guiné-Bissau, o contrato do selecionador de futebol é pago pelo Governo e a federação apenas usufrui do trabalho do técnico, que pode dispensar quando assim o entender.