Adepto acusado de atacar autocarro do Boca Juniors foi libertado

Adepto acusado de atacar autocarro do Boca Juniors foi libertado

Adepto do River Plate proibido de entrar no estádio do seu clube durante dois anos e quatro meses e terá de cumprir 180 horas de trabalho comunitário.

A justiça argentina libertou esta quinta-feira o adepto do River Plate que havia sido detido e condenado pelo ataque ao autocarro do Boca Juniors, que levou ao adiamento da segunda mão da final da Taça Libertadores.

Depois de ter sido condenado, primariamente, a dois anos e quatro meses de prisão, Matías Firpo viu o tribunal emitir hoje a decisão que, segundo fontes judiciais, terá sido tomada após "julgamento abreviado".

O tribunal decretou, como medidas acessórias, a interdição do adepto ao Estádio do River Plate, bem como a qualquer tipo de evento desportivo de maior repercussão, durante os dois anos e quatro meses a que havia sido condenado. Firpo terá de cumprir ainda 180 horas de trabalho comunitário e terá de se reger por "certas normas de conduta".

Como um dos adeptos responsáveis pelo ataque ao autocarro do Boca, do qual resultaram algumas lesões em jogadores e o adiamento do jogo, Firpo foi detido sob acusação de delitos de danos agravados, por impedir a realização de um espetáculo desportivo e pela promoção à criação de grupos violentos.

Na sequência dos desacatos, a Confederação sul-americana de futebol (CONMEBOL) agendou a segunda mão da final para "fora do território argentino", por não se encontrarem reunidas as condições necessárias de segurança, e elegeu o Santiago Bernabéu, em Madrid, para receber o jogo este domingo.