Governo brasileiro solidariza-se com Neymar e protesta contra racismo

Governo brasileiro solidariza-se com Neymar e protesta contra racismo
Redação com Lusa

Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos do Brasil expressou "repúdio" a "todos os episódios de discriminação com base na cor da pele"

O Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos do Brasil expressou "solidariedade" com Neymar, expulso num jogo em França após um incidente que classificou como racismo, e protestou contra todo o tipo de discriminação.

"Diante de mais um caso de racismo no futebol", indicou, em referência ao jogo entre o Paris Saint-Germain e o Olympique de Marselha, o Ministério brasileiro reafirmou que "não é a primeira vez que (Neymar) é vítima de preconceito racial".

Em comunicado oficial, a tutela "condenou veementemente todos os tipos de violência" e expressou o seu "repúdio" a "todos os episódios de discriminação com base na cor da pele".

O texto também reitera "o compromisso" do Governo do presidente, Jair Bolsonaro, com "o fim do racismo no futebol e em toda a sociedade".

A partida, disputada no último domingo em Paris, terminou com cinco jogadores expulsos, entre eles Neymar, que viu o cartão vermelho após acertar na cabeça do espanhol Álvaro González, central do Marselha.

Após o jogo, o jogador da seleção brasileira de futebol afirmou que tinha sido alvo de insultos racistas do defesa do Marselha, que negou as acusações.

O caso ainda deverá ser analisado pelas autoridades desportivas francesas, mas, mesmo assim, Neymar e González levaram o duelo para as redes sociais, enquanto os dois clubes saíram em defesa dos seus jogadores.