Depois do Chelsea, governo britânico vai atrás do Manchester City

Depois do Chelsea, governo britânico vai atrás do Manchester City
Redação

Sheikh Mansour terá reunido com Bassar al-Asaad, presidente da Síria e aliado de Vladimir Putin

A guerra na Ucrânia continua a ter consequência em todas as áreas da sociedade, designadamente em Inglaterra, e o futebol não foge à regra. O Chelsea, devido a Roman Abramovich, tem vindo a perder milhões em patrocínios, mas o governo britânico quer agora centrar atenções no Manchester City.

Segundo a imprensa britânica desta segunda-feira, o partido da oposição ao atual governo de Boris Johnson questiona a ausência da promoção da paz pelo proprietário do Manchester City e a viabilidade para uma pessoa que demonstra estas afinidades poder deter um clube da Premier League.

Nas últimas semanas, foram várias as sanções do governo britânico a Abramovich e ao Chelsea, com a própria sobrevivência financeira do clube londrino a ficar, supostamente, em causa, depois do fim de diversos patrocínios, além das punições resultantes das sanções à Rússia e aos oligarcas russos.