"Com reviravoltas destas é mais fácil convencer Mbappé? Acho que está mais do que convencido"

"Com reviravoltas destas é mais fácil convencer Mbappé? Acho que está mais do que convencido"
Vanda Pinto

Declarações de Ramón Calderón, antigo presidente do Real Madrid, à margem de um evento solidário pré-dérbi de Madrid organizado pela Nacex.

Explicação para a reviravolta do Real Madrid: "É difícil de entender para quem não conhecer a história deste clube, a forma de enfrentar os jogos, o espírito competitivo... A UEFA deveria dar-nos um título especial só pelo que aconteceu nestas três eliminatórias [PSG, Chelsea e Manchester City]. É incrível. Foi maravilhoso. A moral da equipa é altíssima."

Real Madrid é favorito frente ao Liverpool? "Não está feito [vencer a Champions], mas a moral deve ser extraordinária. O que aconteceu ontem... Faltava um minuto. A cara de surpresa quando o jogo lhes escapou das mãos... Não será fácil contra o Liverpool. Mas com este Real Madrid, quem se pode chegar à frente?".

Magia do Real Madrid: "É algo místico. Parece que os astros se alinham. São capazes de provocar, imagino, ataque de coração às pessoas. Por muito que quiséssemos pensar que aquilo pudesse acontecer, era difícil. E aconteceu. Está a ser falado no mundo inteiro."

Como se trabalha isso? "Há uma relação especial com a competição. Há uma comunhão entre jogadores, adeptos... que faz com que possa acontecer. Aconteceu três vezes num par de meses. Ganhar é uma obrigação, foi isso que criou a lenda."

Cara de Guardiola no final do jogo: "Imagino que fosse de espanto, surpresa, incredulidade. Apesar de já ter vivido mil batalhas. Era evidente que aquilo foi um choque que eles [Manchester City] não esquecerão durante muito tempo. As caras de desespero, de incredulidade. O Guardiola é um enorme treinador, mas há uma coisa que li e que é importante. Alguém disse que para ganhar a Champions é preciso ter uma grande equipa, um grande treinador e ganhar ao Real Madrid."

Com reviravoltas como esta é mais fácil convencer Mbappé? "Acho que já está mais do que convencido. É um jogador que ainda tem equipa, embora não tenha renovado e seja um jogador livre. Pode ir para onde quiser. Tudo faz acreditar e eu adoraria que fosse assim, que ele viesse para cá. Mas temos de respeitar o jogador e o clube até ao final."