Capitão da seleção russa reage às críticas: "Para os que se sentam em mansões em Inglaterra..."

Capitão da seleção russa reage às críticas: "Para os que se sentam em mansões em Inglaterra..."
Redação

Jogador do Zenit, Artem Dzyuba recorreu às redes sociais para falar sobre a guerra na Ucrânia e reagir às críticas sobre o seu silêncio quanto ao tema.

Artem Dzyuba, capitão da seleção russa e jogador do Zenit, respondeu esta quarta-feira às críticas sobre o facto de se manter, até agora, em silêncio quanto à guerra na Ucrânia, às quais Vitaliy Mykolenko, jogador ucraniano do Everton, se juntou na terça-feira. De recordar que a Rússia lançou na madrugada de quinta-feira uma ofensiva militar na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já mataram mais de 350 civis, incluindo crianças, segundo Kiev. A ONU deu conta de mais de 836 mil refugiados na Polónia, Hungria, Moldova e Roménia.

"Até bem recentemente eu não queria falar sobre este tema. Não porque tivesse medo, mas porque não sou especialista em política. Nunca fui e não pretendo ser, ao contrário de um grande número de políticos e virologistas que apareceram recentemente na Internet. Mas como toda a gente, eu tenho a minha opinião. Como estou a ser atraído para este tema, vou expressá-la. Sou contra qualquer guerra. A guerra é assustadora. Mas também sou contra a agressão e o ódio humanos, que a cada dia ganham proporções transcendentes. Sou contra a discriminação com base na nacionalidade. Não tenho vergonha de ser russo. Tenho orgulho. E não entendo o porquê dos atletas terem de sofrer agora", começou por escrever nas redes sociais.

"Sou contra duplos critérios. Pode fazer-se tudo, mas depois enforcam-nos como cães. Porque é que toda a gente fala sobre desporto fora da política, mas na primeira oportunidade quando se trata da Rússia, toda a gente esquece esse princípio? Mais uma vez, a guerra é assustadora. Em situações de stress, as pessoas mostram a sua essência, por vezes negativa. Quanta raiva já foi derramada sobre todos os russos, independentemente da sua posição e profissão? Aos milhares de pessoas que escrevem insultos e ameaças - entrem na fila!", continuou, concluindo com uma mensagem de esperança para que tudo acabe o mais rapidamente possível, sem deixar de enviar uma "indireta" como resposta às críticas:

"É estranho ouvir tudo isto de pessoas a quem a Rússia deu muito. Tudo isso só cria mais negatividade. A guerra terminará, mas as relações humanas permanecerão. E será impossível retroceder. Lembrem-se disso. E para todos aqueles que se sentam em mansões em Inglaterra e dizem coisas nojentas: isso não nos ofende. Nós entendemos tudo. Paz e amor a todos!"