"Bola de Ouro de Messi? Parece-me bem. Ronaldo, Haaland e Mbappé não têm aquela magia"

"Bola de Ouro de Messi? Parece-me bem. Ronaldo, Haaland e Mbappé não têm aquela magia"
Redação

Antigo campeão do Mundo em 1986 com Diego Maradona, Jorge Valdano comentou a atribuição da Bola de Ouro 2021 a Lionel Messi.

Jorge Valdano, antigo campeão do Mundo em 1986 com Diego Maradona e antigo diretor geral do Real Madrid, em conferência na Universidade CEU Cardenal Herrera, concordou com a Bola de Ouro atribuída a Lionel Messi, que superou a concorrência de Robert Lewandowski, percebendo, no entanto, as críticas à distinção.

"Penso que [Messi] é o maior talento puro, mas é perfeitamente discutível se o compararmos com o ano de Robert Lewandowski. Quando falamos de um prémio individual num desporto coletivo, estamos sempre perto de cometer uma injustiça. [mas] Parece-me bem que Messi tenha ganho", começou por dizer o argentino, que considerou ainda que o agora jogador do PSG é o último "jogador anfíbio: metade rua, metade academia", sendo que Maradona foi o último jogador de rua, passando a explicar de seguida.

"A partir de Messi, a rua acabou, agora os jogadores são "académicos" a quem lhes é ensinado de uma forma muito sofisticada para os formar de todos os pontos de vista:pessoal, desportivo e técnico", afirmou, dando depois os exemplos de Cristiano Ronaldo, Erling Haaland e Kylian Mbappé.

"A academia torna os jogadores medíocres muito melhores, mas não ajuda aqueles que são diferentes. Tudo tem de ser rápido, a um ou dois toques, e isso "castiga" o jogador diferente. Não lhe é permitido "fingir", parar, enfrentar. Agora vemos jogadores muito bons como Cristiano Ronaldo, Erling Haaland e Kylian Mbappé, mas que não têm a magia desses jogadores que improvisavam soluções com uma capacidade extraordinária", concluiu.