Ao eliminar o Palmeiras, Tigres fez história no Mundial de clubes: saiba porquê

Ao eliminar o Palmeiras, Tigres fez história no Mundial de clubes: saiba porquê
Francisco Sebe

Equipa mexicana tornou-se no primeiro finalista saído da CONCACAF.

Os holofotes estavam centrados naquilo que o Palmeiras, do português Abel Ferreira, poderia fazer nesta edição do campeonato do Mundo de clubes, mas quem brilhou na primeira meia-final foi o Tigres, do México, que venceu o campeão sul-americano por 1-0 e carimbou o primeiro passaporte para a final de Doha (Catar).

E, ao fazê-lo, o vencedor da Champions da CONCACAF alcançou também um feito inédito: o Tigres é o primeiro finalista da história do Mundial de clubes proveniente daquela confederação.

Em 2020, a equipa de San Nicolás bateu o Los Angeles FC na final da prova continental e garantiu uma vaga no Mundial, onde já tinha deixado pelo caminho os sul-coreanos do Ulsan Hyundai.

Agora, ao tombar o Palmeiras, passou a ser a primeira equipa da América do Norte, América Central e Caraíbas a marcar presença no encontro decisivo do Mundial.

De salientar ainda que, em anos anteriores, só quatro equipas foram capazes de quebrar o "duopólio" dos clubes europeus e sul-americanos, atingindo a final da competição: o TP Mazembe (RD Congo, em 2010), o Raja Casablanca (Marrocos, em 2013), o Kashima Antlers (Japão, em 2016) e o Al Ain (Emirados Árabes Unidos, em 2018). Nenhuma conseguiu levantar o troféu.

O adversário do Tigres na final do dia 11 de fevereiro será o vencedor do jogo entre os egípcios do Al Ahly e os alemães do Bayern.