VAR do Chelsea-Tottenham admite erro: "Mesmo depois de duas décadas..."

Momento em que Romero puxa o cabelo de Cucurella

 foto Twitter

Mike Dean admitiu que devia ter aconselhado Anthony Taylor a rever as imagens do lance em que Cristian Romero puxa o cabelo de Marc Cucurella, um momento que antecedeu o golo final da partida.

O polémico Chelsea-Tottenham (2-2) do último domingo, a contar para a segunda jornada da Premier League, ainda faz correr muita tinta em Inglaterra.

Num lance que antecedeu o golo final da partida, apontado por Harry Kane aos 90+6 e que garantiu o empate aos spurs, Cristian Romero, central do Tottenham, puxou o cabelo de Marc Cucurella, reforço do Chelsea, sem que qualquer falta fosse assinalada.

O incidente valeu muitas críticas ao árbitro da partida, Anthony Taylor, que foi inclusive alvo de uma petição que pede a sua exclusão de futuras partidas que envolvam o conjunto de Stamford Bridge.

Ora, esta quinta-feira, o VAR na partida, Mike Dean, admitiu que cometeu um erro nesse lance, devido a não ter pedido a Taylor que fosse rever as imagens do lance entre Cucurella e Romero.

"Não podia ter assinalado livre enquanto VAR, mas podia ter recomendado a Taylor que fosse rever as imagens, de forma a avaliar um possível cartão vermelho. Nos poucos segundos em que vi Romero puxar o cabelo de Cucurella, não considerei essa ação como um ato violento. Desde aí, estudei as imagens, falei com outros árbitros e, após reflexão, devia ter chamado Taylor, para que ele visse por ele mesmo. O árbitro de campo tem sempre a palavra final", afirmou, na coluna de opinião que detém no Mail+.

"Isto serve para mostrar que, apesar do quão experiente és, e eu passei mais de duas décadas a arbitrar na Premier League, estás constantemente a aprender", acrescentou Mike Dean.