Piloto David Henderson assume a culpa pela trágica morte de Emiliano Sala

Sala perdeu a vida em janeiro de 2019 ao ser vítima de um acidente de avião

 foto AFP

Henderson, que havia inicialmente negado uma acusação feita pela Autoridade de Aviação Civil do Reino, será julgado a 14 de fevereiro de 2022

David Henderson, piloto de 67 anos, confessou, esta segunda-feira, ser culpado pela morte do antigo futebolista argentino Emiliano Sala, ocorrida em janeiro de 2019, por ter delegado o serviço de transporte privado a um ex-colega sem licença.

Relacionado com o acidente pela acusação, ao ter colocado em risco a vida do jogador malogrado, Henderson admitiu, perante o tribunal, que foi ele quem tratou de providenciar um voo sem permissão ou autorização superior para tal.

Em 21 de janeiro de 2019, o avião que transportava Sala, desde Nantes para Cardiff para assinar um novo contrato com o clube inglês, despenhou-se no Canal da Mancha, tirando a vida ao atleta e ao piloto David Ibootson, cuja licença tinha expirado em novembro de 2018 - dois meses antes do acidente.

O corpo de Emiliano Sala foi, depois, descoberto e recuperado no mês seguinte à tragédia (fevereiro de 2019), enquanto o de Ibbotson, que ocupou o lugar de David Henderson na condução da aeronave, nunca foi encontrado pelas autoridades.

O acidente no Canal da Mancha deveu-se, segundo a Agência de Investigação de Acidentes Aéreos, devido à perda de monóxido de carbono durante o viagem, atribulada por condições meteorológicas, que condicionou uma manobra abrupta de Ibootson.

Henderson, que havia inicialmente negado uma acusação feita pela Autoridade de Aviação Civil do Reino Unido por "infrações ligadas ao acidente", será julgado a 14 de fevereiro de 2022. A confissão poderá, eventualmente, atenuar a pena.