Newcastle pede aos adeptos que não se vistam como árabes

Newcastle pede aos adeptos que não se vistam como árabes

 foto AFP

Newcastle pede aos adeptos que não se vistam como árabes

 foto EPA

Newcastle pede aos adeptos que não se vistam como árabes

 foto EPA

Newcastle pede aos adeptos que não se vistam como árabes

 foto EPA

Newcastle pede aos adeptos que não se vistam como árabes

 foto EPA

Newcastle pede aos adeptos que não se vistam como árabes

 foto EPA

Newcastle pede aos adeptos que não se vistam como árabes

 foto EPA

Newcastle pede aos adeptos que não se vistam como árabes

 foto EPA

Clube emitiu comunicado esta quarta-feira

Consumada a recente compra do Newcastle por um fundo de investimento da Arábia Saudita, numa operação que rondará os 350 milhões de euros, a maioria dos adeptos dos magpies celebraram a aquisição e no primeiro jogo caseiro depois da oficialização do negócio, muitos surgiram no estádio de Saint James Park com roupa tradicional árabe. Uma opção que o clube da Premier League pede, agora, que não se repita

"O Newcastle pede, amavelmente, aos apoiantes que se abstenham de usar vestuário árabe tradicional ou coberturas de cabeça inspiradas no Oriente Médio, exceto se o fizerem diariamente", pode ler-se no comunicado revelado esta quarta-feira. Um pedido que o clube inglês garante não ter tido intervenção alguma dos novos donos do clube, um consórcio que inclui o Fundo de Investimento Público da Arábia Saudita, liderado pelo príncipe herdeiro Mohammed bin Salman.

"Ninguém entre o novo grupo proprietário ficou de modo algum ofendido com os trajes que os adeptos escolheram para celebrar. No entanto, existe a possibilidade de que essa opção de vestuário possa ser culturalmente inapropriada e possa ofender outros", acrescenta o clube.

Recorde-se que o clube do norte de Inglaterra foi vendido a um fundo de investimento da Arábia Saudita depois de 14 anos na posse de Mike Ashley. O Newcastle, quatro vezes campeão em Inglaterra, tenta com esta operação um novo rumo, depois de presenças já nesta última década no Championship e de sete temporadas abaixo dos nove primeiros lugares da Premier League.