"Não me importava de aquecer bancos no Barcelona, pelo dinheiro que ganhava..."

Alex Song, aqui ao serviço do Arsenal, num jogo com o Braga em 2010

 foto Ricardo Junior / Global Imagens

Internacional camaronês rumou ao Barcelona em 2012.

Alex Song, internacional camaronês, trocou o Arsenal pelo Barcelona em 2012, após sete temporadas nos "gunners", com um empréstimo Charlton pelo meio. Tendo sido advertido que não jogaria muitos encontros pelo emblema espanhol, aceitou a proposta para se estabelecer a nível financeiro.

"Quando o Barcelona me ofereceu um contrato e vi quanto iria ganhar, não pensei duas vezes. Senti que a minha mulher e os meus filhos deveriam ter uma vida confortável quando eu terminasse a carreira. Conheci o diretor desportivo e ele disse-me que eu não iria jogar muitos jogos, mas não me importava, sabia que me tornaria milionário. Não me importava de aquecer bancos no Camp Nou, pelo dinheiro que ganhava", começou por dizer em conversa com o compatriota Pascal Siakam, basquetebolista da NBA.

"A maioria dos jogadores de futebol vive acima das suas possibilidades. Estive durante oito anos no Arsenal, mas só comecei a ganhar a vida nos últimos quatro, quando me dei conta do desperdício que era", continuou.

"Eu ia treinar e via Thierry Henry aparecer com uma joia de um carro. Disse a mim mesmo que queria o mesmo carro a qualquer custo. Fui ao concessionário e comprei-o. Mas juro que tive de o devolver passados dois meses, todo o meu dinheiro estava a ir para a gasolina", concluiu Song.

O camaronês acabou por cumprir 65 jogos no emblema "blaugrana", distribuídos por duas épocas, e apontou um golo. Depois, rumou ao West Ham, por empréstimo, antes de sair a título definitivo para os russos do Rubin Kazan, em 2016.