Árbitra italiana denuncia ser vítima de "porno-vingança" na Internet

Diana Di Meo, árbitra italiana de futebol

 foto D.R.

Jovem soube do fornecimento de conteúdos pessoais "graças a uns rapazes" e diz que as autoridades transalpinas "estão a rastrear" os autores do envio e transmissores.

Diana Di Meo, jovem árbitra italiana de futebol, denunciou, esta quarta-feira, ser vítima da partilha não autorizada de vídeos de cariz sexual/íntimo nos quais surge, em alguns deles, diz, feitos à revelia, através da utilização de plataformas digitais.

"Estão a partilhar os meus vídeos privados em redes sociais como Telegram e WhatsApp, são conteúdos, alguns deles, gravados sem o meu consentimento, que não partilhei. É porno-vingança", afirmou a árbitra de 22 anos, no Instagram.

Di Meo, visivelmente afetada enquanto denunciou a usurpação de conteúdo pessoal, teve conhecimento "graças a rapazes" e revelou que se queixou às autoridades e que há buscas em curso para identificar autores e transmissores.

"Estão a rastrear os autores e os envolvidos na partilha dos vídeos, porque isso também é crime. Temos de denunciar estes vídeos e as pessoas que estão a partilhá-los", referiu a jovem árbitra italiana, "a tentar resistir" ao sucedido.

"Denuncio a situação nas redes sociais para ganhar força porque estou, há dias, fechada em casa. É uma situação que não desejo a ninguém, estou a tentar resistir, mas nem todos conseguem", acrescentou Diana Di Meo.

A "porno-vingança" ocorre quando alguém expõe, através da Internet, imagens íntimas de outrem para prejudicar a reputação da própria vítima, o que prevê um ilícito censurável, por exemplo, no quadro penal português. Segundo a legislação, o crime "é punido com pena de prisão até um ano ou com pena de multa até 120 dias".