Aguero e o problema cardíaco que o fez abandonar o futebol: "Pensei que ia morrer"

Aguero e o problema cardíaco que o fez abandonar o futebol: "Pensei que ia morrer"
Redação

Ex-internacional argentino recordou, numa entrevista ao canal Antena 3, tudo o que passou em outubro.

Sergio Aguero contou, numa entrevista no programa El Hormiguero, da estação televisiva espanhola Antena 3, que pensou que ia morrer quando teve o problema cardíaco que o obrigou a terminar a carreira aos 33 anos.
O ex-internacional argentino revelou que começou a ter sinais de um problema cardíaco na pré-época, mas os exames não indicavam qualquer tipo de anomalia. "Comecei a sentir-me mal na pré-época, com sintomas estranhos mas pensei que era dos treinos, do calor. Depois, lesionei-me e fiquei um mês parado. Tive dores de cabeça, picos de calor mas ainda assim sentia-me desconfortável", explicou. "Depois disso voltei aos treinos com a equipa e ficava bastante cansado, até que um dia disse ao médico que me sentia mal, um pouco tonto, e o meu coração começou a bater muito. Mas fizeram vários testes e estava tudo bem", acrescentou Aguero, recordou o incidente a 30 de outubro, na receção do Barcelona ao Alavés.

"Na semana seguinte voltou a acontecer no estádio. Saltei para cabecear a bola e a minha garganta começou a entupir. Comecei a sentir-me mal e tentei gritar para o árbitro parar o jogo, mas não me saía a voz. Fiquei tonto, agarrei a mão de um defesa e pedi-lhe para pedir ao árbitro para parar o jogo. Depois começou a arritmia. Quando parou, levaram-me ao hospital. Estive três dias internado. Pensei que ia morrer, que ia ficar ali", recordou.

"O médico disse-me que podia continuar a jogar, mas que tudo podia acontecer de novo e seria pior. Depois de muito pensar, cheguei à conclusão: 'Está feito. Tenho 33 anos, um filho e uma vida pela frente'. Agora, cada vez que vejo um jogo, penso o que faria naquele momento, como se estivesse lá", confidenciou o antigo futebolista que fez 429 golos em 728 jogos no seu percurso profissional. Na seleção da Argentina somou 41 golos em 101 jogos, no Independiente 23 golos em 55 jogos, no Atlético de Madrid apontou 104 em 237 jogos, no Manchester City 260 em 390 partidas e no Barcelona um golo em cinco jogos.