Acusação avança: Mendy cometia crimes em "quarto de pânico"

Acusação avança: Mendy cometia crimes em "quarto de pânico"
Redação

Jogador do Manchester City está a ser julgado por crimes de violação e abuso sexual

Há novos pormenores sobre o caso de Benjamin Mendy. O francês, que está a ser julgado pelos crimes de violação e abuso sexual, teria um "quarto de pânico" para cometer os ditos crimes.

Durante o julgamento, o jogador do Manchester City foi acusado de utilizar esse espaço para diversos "cenários sexuais". Mendy trancava as vítimas, retirando-lhes os telemóveis, e, segundo a acusação, cometia alguns dos crimes por que está acusado.

Numa noite, aquando de uma festa na piscina que deu em casa, o futebolista terá violado três mulheres.

"O caso é simples e não tem muito a ver com futebol. A história é antiga: homens que agridem e violam mulheres porque acham que se vão safar", afirmou o promotor Timothy Cray, durante o julgamento, que decorre em Chester, Inglaterra.

Em maio, Benjamin Mendy declarou-se em tribunal inocente, negando qualquer culpa nos 10 crimes de que está acusado (oito violações, uma tentativa de violação, e um crime de abuso sexual) por seis mulheres, cometidos alegadamente entre outubro de 2018 e agosto de 2021, na sua casa em Prestbury.

Depois de vários meses em prisão preventiva, Mendy, campeão mundial em 2018 e ainda vinculado ao Manchester City, foi colocado sob supervisão judicial em meados de janeiro passado.

O lateral esquerdo, que começou a carreira no Le Havre, passou pelo Marselha e ainda esteve uma época no Mónaco, tornando-se, em 2017, no defesa mais caro da história, depois de o Manchester City ter investido 60 milhões de euros na sua contratação.