Um grito que se ouviu de Tabriz a Chabahar

Um grito que se ouviu de Tabriz a Chabahar

BRINCA NA AREIA >> Carlos Queiroz atirado ao ar, uma volta olímpica perante mulheres em lágrimas de cabelos destapados e rostos de profundo alívio

Não podia ser de outra maneira. Quando os postes e as lesões pareciam atirar Carlos Queiroz para uma nova manhã carregada de frustração, o guarda-redes Hennessey entrou na trama ao jeito de Bruce Lee, foi expulso e abriu caminho ao grito de revolta do Irão.

Um grito que se ouviu de Tabriz a Chabahar e que deve ter feito o "ayatollah" Khamenei tapar os ouvidos com as mãos. O apito final estava prestes a surgir quando a bola foi para os pés do central Cheshmi. Longe de ser o mais talentoso da equipa, o esforçado central decidiu arriscar um remate de muito longe a sua perna direita foi empurrada por todos aqueles que clamam por liberdade e justiça em território iraniano.

Tal conjugação de forças só podia resultar no golo mais simbólico de todo este Mundial. As cenas que se seguiram foram dignas de uma equipa que já ganhou o seu troféu. Queiroz atirado ao ar, uma volta olímpica perante mulheres em lágrimas de cabelos destapados e rostos de profundo alívio. Mais do que o resultado, a maior homenagem foi a mudança de atitude em relação ao jogo com a Inglaterra. Com coragem e sem tentações retranqueiras, a seleção estará sempre à altura do seu povo.