Irmão de Grant Wahl acusa Catar: "Penso que foi assassinado"

Grant Wahl (à direita)

 foto AFP

Jornalista de 48 anos faleceu durante o prolongamento do Países Baixos-Argentina. Irmão lembrou críticas ao Catar

O encontro entre Países Baixos e Argentina não ficou apenas marcado pela grande recuperação dos neerlandeses e pelo triunfo nos penáltis da seleção de Messi. Grant Wahl, jornalista norte-americano, perdeu a vida durante o prolongamento e o irmão já acusou o Catar.

"Era um homem saudável e penso que foi assassinado. Não quero acreditar que morreu", afirmou Eric, que lembrou que o jornalista de 48 anos levou uma camisola com as cores da comunidade LGBT para o homenagear.

Wahl, que publicou vários trabalhos contra o Catar e a forma como o país lidava com a questão dos direitos humanos, tinha contado que não se andava a sentir bem durante as semanas do Mundial.

"O meu corpo finalmente cedeu. Três semanas de pouco sono, muito stress e muito trabalho podem fazer isto. O que parecia um resfriado nos últimos 10 dias converteu-se em algo mais sério e na noite do jogo entre os Estados Unidos e a Holanda senti que a parte superior do meu peito adquiria um novo nível de pressão e incómodo. Não tinha covid, mas fui à clínica do centro de imprensa e disseram-me que provavelmente tinha bronquite. Deram-me antibióticos, um xarope para a tosse forte e já me sinto um pouco melhor", atirou, há uns dias, antes do desfecho trágico.