O muito que separa França e Croácia, finalistas do Mundial'2018

O muito que separa França e Croácia, finalistas do Mundial'2018

No domingo, os croatas vão poder 'vingar' o tal jogo de 1998, em Paris, que os franceses venceram por 2-1

França e Croácia têm encontro marcado para a final do Mundial'2018, mas pouco ou nada une estas duas seleções que a partir das 16 horas de domingo jogarão para suceder à Alemanha.

Ora, a diferença começa desde logo na população e bastaria duplicar a atual população de Paris (2,2 milhões) para serem mais do que a total de habitantes da Croácia, que se julga serem 4,1 milhões. Aliás, só a Uruguai (três milhões) chegou a uma final com menos população. Mas, isso, como se sabe, não decidi jogos de futebol porque Portugal venceu a final do Euro'2016 e existem 67,4 milhões de franceses.

Uma coisa é certa, a Croácia, independente desde 1991, nunca chegou tão longe num grande torneio, tendo como melhor resultado o terceiro posto em 1998, no Mundial que a França jogou e ganhou em casa. Aliás, contas feitas, esta será a terceira final francesa nos últimos seis mundiais disputados.

A Croácia assegurou, portanto, a primeira final de um Campeonato do Mundo de futebol da sua história e vai defrontar a França, numa reedição das meias-finais do Mundial'1998, que na altura sorriu aos gauleses.

Em Moscovo, um golo de Mandzukic, na segunda parte do prolongamento, permitiu à Croácia vencer a Inglaterra por 2-1 e apurar-se para o jogo decisivo do Mundial2018, agendado para domingo, no Estádio Luzhniki.

A equipa inglesa até começou melhor e adiantou-se no marcador logo aos cinco minutos, através de um exemplar livre direto de Kieran Trippier, mas os croatas reagiram e empataram já no decorrer da segunda parte, por intermédio de Ivan Perisic, aos 68.

O golo que ditou a primeira final de um campeonato do mundo aos croatas surgiu já em tempo de prolongamento, aos 109 minutos, através Mario Mandzukic, companheiro de equipa de Cristiano Ronaldo na Juventus.

No domingo, os croatas vão poder 'vingar' o tal jogo de 1998, em Paris, que os franceses venceram por 2-1, naquela que era até hoje a melhor campanha de sempre desse país num Mundial.

No Stade de France, a Croácia ainda sonhou com a final, que seria frente ao Brasil, quando Davor Suker marcou, aos 46 minutos, mas Lillian Thuram, aos 47 e 69, deu a vitória aos gauleses, que viriam a conquistar o troféu.

Para estar na terceira final da sua história, a França venceu na terça-feira a Bélgica, por 1-0, com um golo do central Samuel Umtiti, aos 51 minutos, em São Petersburgo.