New York Times: Dragão é hipótese para receber a final da Champions

Estádio do Dragão é alternativa para a final da Champions, avança o NYT

 foto Fábio Poço/Global Imagens

Medidas de restrição complicam a realização do Chelsea-Manchester City em Istambul, na Turquia. Wembley na linha da frente para acolher o jogo.

A UEFA e o Governo do Reino Unido estão em conversações para realocar a final da Liga dos Campeões, agendada para Istambul, na Turquia, no dia 29 de maio.

Segundo o jornal norte-americano New York Times, o estádio de Wembley, em Londres, é a primeira opção para acolher o jogo entre Chelsea e Manchester City e, se tal não for possível, o Estádio do Dragão é a hipótese seguinte.

As medidas de restrição decretadas na Turquia e o facto de este país estar na lista vermelha do Reino Unido complicam a realização da final da Champions.

Além da presença de adeptos, mesmo que com limitações, ser muito difícil, os intervenientes na partida teriam de cumprir dez dias de isolamento no regresso ao Reino Unido, o que iria dificultar, desde logo, a preparação dos internacionais para o Europeu.

É por isso que Wembley, em Londres, se afigura como forte possibilidade para receber o encontro. Contudo, de acordo com a mesma fonte, os representantes do futebol português disponibilizaram-se para, mais uma vez, organizar a final, concretamente na casa do FC Porto, que até tinha sido escolhida para receber a Supertaça Europeia do ano passado; o cenário mudou com a pandemia de covid-19 e o duelo entre os vencedores das provas europeias "mudou-se" para Budapeste.

Na última sexta-feira, o governo de Boris Johnson incluiu Portugal na lista dos países para onde os cidadãos britânicos podem viajar sem necessidade de realizar quarentena no regresso à ilha. A partir de 17 de maio, o corredor aéreo Portugal-Reino Unido funcionará quase sem restrições e para viagens não essenciais, como turismo. Um cenário que não se verificava, por exemplo, quando FC Porto e Chelsea discutiram os quartos-de-final da Liga dos Campeões - tiveram de jogar em Sevilha.

UEFA e autoridades britânicas reúnem-se esta segunda-feira e a decisão deverá ser tomada em breve.

Para escolher o palco da final, a UEFA procura preencher uma série de requisitos, nos quais se inclui a presença de adeptos.

No futebol inglês, a final da Taça da Liga teve oito mil adeptos nas bancadas e a final da Taça de Inglaterra abrirá as portas a cerca de 20 mil.

Em sentido inverso, os estádios portugueses estiveram sempre fechados, à exceção de algumas experiências na primeira metade da época.