"Se tivesse que voltar a Itália e treinar um rival do Inter não pensaria duas vezes"

"Se tivesse que voltar a Itália e treinar um rival do Inter não pensaria duas vezes"

José Mourinho vinca a "postura profissional" que defende enquanto treinador.

As meias-finais da Liga dos Campeões 2020/21 opõem, numa das duas eliminatórias, duas equipas que José Mourinho já orientou: o Chelsea, que até treinou em dois períodos distintos, e o Real Madrid, onde marcou uma era, nomeadamente devido aos duelos com Pep Guardiola.

Questionado sobre a preferência entre "blues" e "merengues", em entrevista ao The Times, o técnico português admitiu estar a pender para o lado inglês.

"Tenho um grande respeito por todos os clubes onde já trabalhei. Se um dos meus clubes anteriores joga, normalmente torço por eles, porque tenho ligação às pessoas e aos adeptos. Se o Real Madrid jogasse contra uma equipa que não me diz nada, queria que ganhasse o Real. Mas se acontecer jogar contra o Chelsea, como acontece este ano... Vou pelos meus amigos. São as mesmas pessoas que eu conheci lá? O mesmo presidente? O mesmo proprietário? Aí está", justificou o ex-treinador do Tottenham, que, ainda assim, vinca uma postura profissional na hora de escolher os clubes que treina.

"Se algum dia tivesse que voltar a Itália e treinar um rival do Inter, não pensaria duas vezes. Tenho essa forma profissional de encarar as coisas e sinto-me bem com isso", afiançou.

Na mesma entrevista, Mourinho revelou ainda que tem na lista telefónica os contactos de vultos do futebol como Alex Ferguson, Klopp, Guardiola ou Arteta: "Tenho os números deles, mas isso não significa que falemos todos os dias", rematou. Quem fica de fora é um antigo arquirrival: Arsène Wenger.