Autobiografia de antigo árbitro recorda tensão com Mourinho: "Atirei a chuteira à parede..."

Autobiografia de antigo árbitro recorda tensão com Mourinho: "Atirei a chuteira à parede..."

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Redação

Mark Clattenburg, antigo árbitro inglês, recorda um momento mais tenso com José Mourinho em 2017

A autobiografia de Mark Clattenburg, antigo árbitro inglês, chega às bancas este sábado, no Reino Unido, mas esta sexta-feira o jornal Daily Mail revela um dos episódios relatados no livro. José Mourinho é o outro protagonista do episódio.

"Perguntam-me frequentemente se houve um jogo em que pensei desistir da carreira na Premier League. O que vou contar é o mais próximo que me consigo lembrar de um momento em que pensei: 'Sabem que mais, já não quero saber mais disto", pode ler-se na antevisão ao livro.

"Foi num jogo entre Stoke City e Manchester United, a 21 de janeiro de 2017. O Wayne Rooney batera o recorde de golos de Sir Bobby Charlton pelo United com um livre direto perto do fim que deu o empate 1-1. Depois do jogo, alguém bateu à porta do meu balneário. Era o treinador do United, José Mourinho, que entrou. Eu estava a tirar as chuteiras e disse-lhe: "Desta vez deve estar feliz. Não pode culpar-me pelo empate, pois não?", conta Clattenburg,

O que respondeu Mourinho surpreendeu-o. "Posso", disse o treinador português, com Mark Clattenburg a revelar que o treinador português começou a queixar-se de uma alegada mão na área do Stoke. "Eu vi o vídeo e você errou", insistiu Mourinho para desespero do então árbitro. "Peguei numa das minhas chuteiras e atirei à parede, junto dele. E disse-lhe: 'F..., saia do meu balneário. Saia!'".

"Passei-me com ele [Mourinho] e percebi que não estava para aturar mais aquilo, estava farto daqueles "mind games" ridículos. Fui para casa, revi o jogo e percebi que acertei, já que a bola bateu no peito do Shawcross. Naquela noite fui para a cama e percebi que estava mesmo farto. Pensei para mim: "não vou chatear-me mais com idiotas destes"", pode ler-se na autobiografia de Clattenburg.