Rangnick volta a falar da revolta de Ronaldo: "Não levei para o lado pessoal"

Rangnick volta a falar da revolta de Ronaldo: "Não levei para o lado pessoal"
Redação

Descontentamento de Ronaldo ao ser substituído no jogo com Brentford voltou a ser tema de discussão para Ralf Rangnick, que garantiu não ter levado a reação do português a peito

Na conferência de imprensa que se seguiu à vitória deste sábado do Manchester United na receção ao West Ham (1-0), Ralf Rangnick, treinador interino dos red devils, voltou a desvalorizar a revolta de Cristiano Ronaldo no momento em que foi substituído na vitória anterior sobre o Brentford, por 1-3, na quarta-feira.

"Não o culpo pela reação que teve, mas obviamente que qualquer treinador desejaria que não tivesse sido tão emotivo e muito menos à frente das câmaras. Não penso que tenha sido bom para ninguém, nem para ele, nem para os companheiros. É um desporto emocionante e os jogadores respondem de forma emotiva. Não levei para o lado pessoal", garantiu.

O alemão continuou no mesmo raciocínio, recusando que a reação do internacional português tenha sido um ato de insubordinação, lembrando que não é a primeira vez que Ronaldo demonstra insatisfação ao ser substituído.

"Não interpretei como se ele me estivesse a desafiar. Esta não foi a primeira vez que ele fez isso, se forem ver alguns momentos com o Alex [Ferguson] ou até com outros treinadores que o substituíram, podem ver que a sua reação foi bastante parecida, o que mostra que nada tem a ver com o treinador", prosseguiu.

"O futebol é um desporto de equipa e para nós é importante tirar o máximo proveito de cada jogo, o máximo de pontos possíveis e é uma decisão que cabe a cada treinador sobre o que realmente a equipa necessita para ganhar um jogo. Não sou alguém que no final diz que tudo correu de forma perfeita, mas neste caso tudo correu como estava planeado", conclui Rangnick.