Manchester United corta nos salários e nem Cristiano Ronaldo escapa

Manchester United corta nos salários e nem Cristiano Ronaldo escapa
Redação

Plantel, incluindo Cristiano Ronaldo, sofrerá no bolso a ausência da Champions. No caso de CR7, serão menos 113 mil euros por semana.

Aquela que terminará como a pior temporada do Manchester United na Premier League (desde 1992/93) não será penosa apenas para os adeptos - bem pode dizer-se que também sairá do bolso dos jogadores, que sofrerão cortes salariais que, em alguns casos, poderão chegar a um quarto do ordenado.

A notícia surgiu na imprensa inglesa, na ressaca da pesada derrota (4-0) dos red devils no campo do Brighton, que impedirá a equipa de Ronaldo, Bruno Fernandes e Dalot de se classificar acima do sexto lugar no presente campeonato, à falta de uma jornada, logo, fora dos lugares de acesso à próxima Liga dos Campeões.

Os contratos de alguns jogadores incluem cláusulas que preveem reduções salariais caso o clube de Old Trafford não se qualifique para a principal competição europeia, devido à perda de receitas. Basta dizer que o máximo que é possível faturar na Liga Europa fica abaixo dos prémios de presença na Champions. E o nome de Cristiano Ronaldo foi o primeiro a ser referido como alvo dos referidos cortes, não só pelo tipo de contrato mas igualmente por ser o jogador mais bem pago da Premier League.

O "Daily Mail" refere mesmo que pela primeira vez em muitos anos, o português vai auferir abaixo de 350 mil euros (300 mil libras) semanais. Dos atuais 450 mil euros por semana, passaria a cerca de 337 mil. Isto, claro, se CR7 se mantiver no Manchester United na próxima temporada. O guarda-redes De Gea, por exemplo, passará de 438 mil euros para 333mil por semana com o tal corte de 25 por cento. O espanhol já viveu, de resto, situação semelhante no clube, com o sexto lugar de 2018/19 . Na altura, os jogadores negociaram com o clube cortes menos drásticos "apostando" a classificação do campeonato seguinte, em que o United foi terceiro.