Seleção do Gana acusa Gabão de falta de fair-play

Seleção do Gana acusa Gabão de falta de fair-play
Duarte Tornesi

Tópicos

André Ayew e o selecionador Milovan Rajevac lamentaram que o adversário tivesse chegado ao empate num lance onde devia ter devolvido a bola, que tinha sido atirada para fora para atendimento a Kyereh. Patrice Neveau, técnico do Gabão, respondeu às acusações com ironia e lembrou a agressão a um dos seus jogadores já após o apito final

O empate entre o Gana e o Gabão (1-1) da noite desta sexta-feira ficou marcado por polémica. Numa altura em que parecia ter os três pontos no bolso, a equipa ganesa atirou a bola para fora das quatro linhas para permitir o atendimento médico de Kyereh, mas o Gabão optou por não devolver a posse ao adversário e Allevinah marcou o golo do empate aos 88'. A troca de bocas entre elementos das duas comitivas durou os minutos restantes da partida e a situação escalou após o apito final do árbitro, com o ganês Tetteh a ver o vermelho direto após acertar um murro na cara do gabonês Boupendza (ex-Feirense).

Em situação delicada no Grupo C, com apenas um ponto somado em dois jogos, o Gana não escondeu a sua fúria após o jogo. "O nosso jogador estava em dificuldades e atirámos a bola para fora. O Gabão devia ter devolvido a bola, como manda o fair-play", atirou o selecionador Milovan Rajevac, cujas críticas encontraram eco em André Ayew: "Viram o jogo? Quem atirou a bola para fora? Fomos nós! Só marcaram porque estávamos à espera que devolvessem a bola."

Por seu lado, Patrice Neveau, selecionador do Gabão, respondeu às acusações do adversário com ironia. "Eu respeito o Gana. Fair-play é uma expressão inglesa e não existe em francês. Acho que fair-play significa que o Gana devia ter deixado de queimar tempo, por isso não me venham com essa conversa. Vimos uma oportunidade para marcar e, felizmente, colocámos a bola dentro da baliza", disse.