Comores sem guarda-redes para os "oitavos" da CAN: "Até nos rimos perante a situação"

Comores sem guarda-redes para os "oitavos" da CAN: "Até nos rimos perante a situação"
Redação com Lusa

Tópicos

Comores não tem qualquer guarda-redes disponível para o embate com os Camarões, tendo em conta que Moyadh Ousseini e Ali Ahamada também estão infetados, e o outro guardião, Salim Ben Boina, está lesionado.

A equipa técnica de Comores manteve o suspense sobre qual o jogador que vai defender a baliza diante dos Camarões, face à ausência dos três guarda-redes nos oitavos da Taça das Nações Africanas de futebol (CAN).

"Ainda não decidimos qual o jogador que vai desempenhar essas funções. E, mesmo que já soubesse, não diria", afirmou, em conferência de imprensa, o treinador de guarda-redes daquela seleção, Jean-Daniel Padovani, que vai liderar a equipa diante dos anfitriões, na segunda-feira, uma vez que o selecionador Amir Abdou está infetado com o coronavírus.

A participar pela primeira vez numa CAN, Comores não tem qualquer guarda-redes disponível para o embate com os Camarões, treinados pelo português António Conceição, tendo em conta que Moyadh Ousseini e Ali Ahamada também estão infetados, e o outro guardião, Salim Ben Boina, está lesionado.

Para decidir quem será o guarda-redes frente aos camaroneses, a equipa técnica reuniu-se com os jogadores de campo à disposição e tentou perceber quem estaria disponível para assumir a posição.

"Tivemos de lhes explicar o cenário. É algo que tem de vir deles próprios e temos alguns potenciais guarda-redes. Até nos rimos perante a situação. Temos mesmo de encarar isto dessa forma, porque é engraçado", disse Padovani.

A seleção de Comores enfrenta um surto de infeção com o SARS-CoV2, depois de no sábado 12 elementos, sete dos quais jogadores, terem tido resultados positivos nos testes de despistagem.

Comores qualificou-se para os oitavos de final da CAN, depois de ter terminado como um dos quatro melhores terceiros classificados na fase de grupos, inclusive deixando de fora o Gana, um dos habituais candidatos à vitória final e que conquistou a prova em 1963, 1965, 1978 e 1982.

A 33.ª edição da Taça das Nações Africanas (CAN) decorre até 6 de fevereiro, nos Camarões.