Solução para as altas temperaturas no Catar: engolir um termómetro

Solução para as altas temperaturas no Catar: engolir um termómetro

Mundial no Catar exige cuidados: maratonistas e marchadores terão controlo inovador das temperaturas do corpo.

Maratonistas e marchadores de 50 km, que estarão sujeitos a provas de maior desgaste, vão ter à disposição no Mundial de Atletismo, que se realiza já entre 28 de setembro e 6 de outubro, uma cápsula-termómetro que, depois de engolida, permitirá controlar a temperatura corporal e desencadear sinais de alerta caso algum deles ultrapasse o limite. Evitar golpes de calor é o objetivo e, segundo conta o jornal "El Mundo", a decisão resulta de um estudo que a Federação Internacional de Atletismo (IAAF) promoveu, em conjunto com o Hospital de Doha.

Os médicos e fisiólogos que acompanharão os registos ditados por radiofrequência não podem travar os atletas, cabendo-lhe apenas o papel de aconselhar os responsáveis no caso de algum deles ultrapassar o tal limite de temperatura corporal considerada admissível. Adicionalmente, na meta estará também uma câmara térmica que permitirá controlar não só a temperatura do corpo, mas também a da pele. As provas de fundo estão agendadas para altas horas da noite, mas, mesmo assim, prevê-se temperaturas nunca inferiores a 33/34 graus, além da humidade.

Estas cápsulas não são uma novidade absoluta, ainda que o seu uso no desporto seja pouco frequente. O exército norte-americano já as usa há pelo menos 30 anos e podem ser encontradas no mercado, ainda de acordo com o jornal espanhol, num preço que ronda os 60 €. Quem já as experimentou sublinha apenas o incómodo de as engolir (17,7x8,9 milímetros e 1 grama de peso), mas não há riscos associados.