Carnide Clube tenta evitar despejo decidido pelo senhorio

Carnide Clube tenta evitar despejo decidido pelo senhorio

A presidente do Carnide Clube, Tânia Estronca, considerou hoje que o reconhecimento desta coletividade de Lisboa como "entidade de interesse histórico e cultural ou social local" é muito importante para ajudar o clube a evitar o despejo.

O Carnide Clube, em risco de ser despejado do edifício que ocupa há 90 anos em Lisboa, foi reconhecido como "entidade de interesse histórico e cultural ou social local", segundo um despacho publicado hoje no Boletim Municipal da Câmara de Lisboa.

O clube lisboeta, com sete títulos de campeão nacional de basquetebol e que é uma referência na formação da modalidade, deve deixar o edifício onde está sedeado desde a fundação, em 1920, esta sexta-feira, após notificação do senhorio de não renovação do contrato de arrendamento, que termina esta sexta-feira.

"Não o vamos fazer. Já antes deste estatuto não o iríamos fazer e agora muito menos. Agora vamos tentar reunir com os representantes do senhorio para ver o que vamos fazer, tentar que ele perceba [esta situação]. Também não sabemos se ele aceita este estatuto ou não, porque ele pode ainda contestar este estatuto junto da Câmara", disse.

De acordo com a responsável, este estatuto dá ao clube a possibilidade de renovação do contrato por mais cinco anos e encontrar, entretanto, uma solução.

"E depois aí sim, já não há mais renovação nenhuma", explicou.

A atribuição do reconhecimento como "entidade de interesse histórico e cultural" pela Câmara de Lisboa prevê "a atribuição de competências de proteção e salvaguarda destas entidades às Autarquias Locais", é salientado no despacho da Câmara hoje publicado.

De acordo com a lei, "o reconhecimento é atribuído às entidades que, pela sua atividade e património material ou imaterial, constituam uma relevante referência cultural ou social a nível local".

No final de junho, este histórico clube de Lisboa lançou uma petição pública 'online' contra a ação de despejo que foi alvo a sede social que ocupa desde 1928, numa iniciativa que conta com o apoio da Junta de Freguesia local.

"Somos uma instituição de utilidade pública com quase 100 anos e fomos surpreendidos em abril com esta tentativa de despejo para 31 de agosto, contra a qual vamos lutar com todas as forças", afirmou na altura Tânia Estronca, presidente do Carnide Clube, em comunicado.

A responsável referiu que o principal objetivo é conseguir que a Câmara Municipal de Lisboa "faça a expropriação por interesse público do espaço".

Na proposta de reconhecimento como entidade de interesse histórico e cultural, agora aprovada, é salientado que "a identidade da cidade se conecta de forma sinalagmática na identidade das diversas comunidades, tantas vezes patente em instituições como clubes antigos de bairro, enraizados no tecido local e social, que cumprem um papel inestimável com base em princípios tão caros ao movimento associativo".

O documento refere ainda que o reconhecimento do Carnide Clube "como entidade de interesse histórico e cultural ou social assume, no presente ano, uma importância acrescida e relevante, dado que Lisboa venceu a candidatura a Capital Europeia do Desporto 2021".

O clube tem cerca de 750 atletas, a maior parte dos quais são federados.

A nível nacional, "é o quarto maior clube de sempre em Portugal, apenas atrás de Benfica, Porto e Sporting", em Basquetebol, é salientado na sua página oficial na internet.

Atualmente é o campeão da primeira divisão sénior feminino da modalidade.