Braga ergue a Taça de Portugal 50 anos depois

Braga ergue a Taça de Portugal 50 anos depois

Arsenalistas venceram o FC Porto nos penáltis, este domingo, no Jamor

O Braga conquistou este domingo (22 de maio) a sua segunda Taça de Portugal, 50 anos após erguer o primeiro troféu, ao vencer o FC Porto no desempate nas grandes penalidades (4-2), após empate a 2-2 no prolongamento.

Para a conquista da Taça de Portugal muito contribuíram as mãos do guarda-redes Marafona, que defendeu as grandes penalidades dos portistas Herrera e Maxi Pereira.

Pedro Santos, Stojiljkovic, Hassan e Marcelo Goiano converteram os castigos máximos do Sporting de Braga, de nada valendo os penáltis marcados pelos dragões Layún e Rúben Neves.

A equipa bracarense, que não vencia a Taça de Portugal há 50 anos, desde 1965/66, esteve a vencer por 2-0, com golos de Rui Fonte, aos 12 minutos, e Josué, aos 58, mas o FC Porto empatou com dois golos de André Silva, aos 61 e aos 90+1.

O Braga eliminou cinco equipas até chegar à final da Taça de Portugal, no Estádio Nacional, em Oeiras, mas o jogo que marcou esse percurso foi a receção ao Sporting, uma das melhores partidas da temporada.

Poucos dias antes do Natal do ano passado (16 de dezembro), nos oitavos-de-final da prova, os minhotos deram um presente aos seus adeptos ao vencerem o Sporting por 4-3 (após prolongamento), num jogo frenético, com três reviravoltas no marcador que consubstanciaram a "vingança" da amarga derrota na final da época passada diante dos leões.

O Sporting começou a ganhar, com um golo de Bryan Ruiz logo aos 10 minutos, mas Wilson Eduardo (42) e Alan (54) materializaram a primeira 'cambalhota' no resultado.

Slimani (57) e William Carvalho (67) voltaram a pôr a equipa de Jorge Jesus em vantagem, mas Marcelo Goiano logrou o empate aos 83 minutos e, já no prolongamento, um golpe de cabeça de Rui Fonte (111) deu o triunfo aos 'arsenalistas'.

Antes, em meados de outubro, na primeira eliminatória em que participou, o Braga foi a Viseu bater o Académico local por 3-0, golos de Filipe Augusto, Wilson Eduardo e Stojiljkovic.

Na ronda seguinte, mais uma visita a uma equipa da II Liga, mas agora ao mais distante Algarve, onde o Farense 'vendeu cara' a derrota por 1-0, tendo mesmo obrigado os minhotos a jogarem um prolongamento.

Nos 30 minutos suplementares, apenas um golo, e de grande penalidade, de Filipe Augusto, valeu a difícil passagem dos minhotos aos oitavos-de-final.

Considerado por muitos como o melhor jogo da temporada em Portugal, o triunfo sobre o Sporting fez os bracarenses acreditarem ser novamente possível chegar ao Jamor, anseio reforçado pela vitória caseira sobre a surpresa da temporada na I Liga, o Arouca (2-0), nos quartos-de-final.

Tal como nas duas épocas anteriores, as meias-finais foram disputadas com o Rio Ave.

O Sporting de Braga desempatou esta particular contenda com uma vitória em casa (1-0, golo de Pedro Santos, de grande penalidade) e um 'nulo' em Vila do Conde (0-0) e garantiram nova presença no Estádio Nacional.

No palco do encontro decisivo, tal como em 2014/15, os bracarenses voltaram a estar em vantagem por 2-0 e permitiram o empate nos últimos minutos. Esta época, o desempate nas grandes penalidades foi favorável aos bracarenses, ao contrário do que sucedeu então, frente ao Sporting.