Sindicato de Futebolistas desaconselha Roménia, Turquia, Grécia, China ou Arábia

Sindicato de Futebolistas desaconselha Roménia, Turquia, Grécia, China ou Arábia
Redação com Lusa

O incumprimento salarial é também prática comum e crescente assinalada pelo FIFPro na China, Arábia Saudita e Argélia, bem como na Líbia, neste país com a agravante de os jogadores estrangeiros ficarem impedidos de abandonar aquele território porque os clubes se recusam a dar-lhes os documentos necessários

O Sindicato Internacional de Futebolistas Profissionais (FIFPro) desaconselhou hoje os seus associados a assinarem contratos com clubes gregos, turcos, romenos, argelinos, líbios, sauditas ou chineses devido a constantes e generalizadas violações desses acordos firmados naqueles países.

Segundo aquela associação profissional, os salários em atraso são um problema recorrente e de longa duração na Roménia e na Turquia, estando diversos emblemas romenos em processo de abertura de falência, com graves consequências para os atletas, que ficam sem possibilidade de se verem recompensados.

O FIFPro alertou também para a frequência com que clubes da II Liga grega "fecham portas" sem saldarem as suas dívidas, sendo que a maior parte dos futebolistas que recorreram ao Fundo de Proteção do Jogador da FIFA, devido a salários em atraso nos últimos dois anos, estavam precisamente em equipas helénicas.

O incumprimento salarial é também prática comum e crescente assinalada pelo FIFPro na China, Arábia Saudita e Argélia, bem como na Líbia, neste país com a agravante de os jogadores estrangeiros ficarem impedidos de abandonar aquele território porque os clubes se recusam a dar-lhes os documentos necessários.