SIGA apela às organizações desportivas que aceitem fazer testes de integridade

SIGA apela às organizações desportivas que aceitem fazer testes de integridade
Lusa

Desde segunda-feira, a iniciativa organizada pela SIGA reuniu mais de 150 especialistas para discutirem diversos temas relacionados com a integridade no desporto, tendo sido um "sucesso retumbante", ao "concentrar esforços" e acalentar "fé num futuro melhor".

O diretor-executivo da Sport Integrity Global Alliance (SIGA) apelou às diversas organizações desportivas que aceitem fazer testes à sua integridade, no encerramento da segunda edição da semana da integridade no desporto.

"Ouvimos esta semana em primeira mão que a Federação Internacional de Artes Marciais Mistas, a Federação internacional de Xadrez e a UEFA seguirão esse exemplo. Porquê? Sabem o que é a excelência e querem demonstrar a adeptos, patrocinadores e a toda a indústria que, no que diz respeito à boa governança e integridade, desejam estar continuamente no pódio", ilustrou Emanuel Macedo de Medeiros, numa sessão digital.

Desde segunda-feira, a iniciativa organizada pela SIGA reuniu mais de 150 especialistas para discutirem diversos temas relacionados com a integridade no desporto, tendo sido um "sucesso retumbante", ao "concentrar esforços" e acalentar "fé num futuro melhor".

"Prometemos e entregamos um sistema independente de classificação e verificação, operado por um órgão independente. Nomeámos o British Standards Institution (BSI) como o órgão neutro para operar o Sistema independente de Classificação e Verificação da SIGA (SIRVS), que já está instalado e teve como organização desportiva pioneira a Liga Europeia de Râguebi", explicou, sobre um processo que trará resultados em breve.

A Federação internacional de Xadrez aceitou hoje fazer o teste de integridade, dando o mote para um cenário que Emanuel Macedo de Medeiros gostaria de ver expandido, até porque "mudanças significativas exigem que todas as partes interessadas se unam".

"Esta onda extraordinária gerada no evento impulsionará as reformas de integridade tão necessárias e há muito tempo esperadas em toda a indústria desportiva. Espero e confio que os líderes desportivos estarão à altura das expectativas, responsabilidades e liderança que estes tempos atuais exigem deles. Afinal, disso depende a maneira como serão vistos que toda a indústria e lembrados pelas gerações mais jovens", lembrou.

A "semana sem precedentes" de debates também foi enaltecida no mesmo encontro pelo italiano Franco Frattini, líder do Conselho de Administração da SIGA, que encarou o desporto como "instrumento fundamental" no contributo para uma "educação saudável".

"A universalidade do desporto e das regras não são conceitos nem princípios separáveis. Este é o negócio principal da SIGA. Jamais aceitaremos regras do desporto poluídas por ilegalidade, crime organizado e por aqueles que notam aqui uma nova forma de ganhar dinheiro", sublinhou o ex-vice-presidente da Comissão Europeia (2004-2008), que foi ministro dos Negócios Estrangeiros da Itália em duas fases (2002-2004 e 2008-2011).

Antes da sessão de encerramento, a SIGA apresentou o Conselho Consultivo de Elite para a sua subsidiária na Europa, que será presidido por David Richards, ex-líder da Liga inglesa de futebol, Associação das Ligas Europeias e Associação Mundial de Ligas.

Aportando quatro prioridades estratégicas, encabeçadas pela implementação da agenda reformista da SIGA, o novo órgão vai incorporar como membros Rosa Mota, campeã olímpica, mundial e europeia de maratona, e o advogado Rui Botica Santos.

"Juntos faremos um progresso substancial na nossa luta por um desporto limpo. Os adeptos europeus exigem integridade e estaremos lá para os apoiar, liderando o caminho para a integridade desportiva na Europa", finalizou Emanuel Macedo de Medeiros.