Pienaar confessou choro compulsivo

Pienaar confessou choro compulsivo

O capitão da seleção de râguebi campeã mundial em 1995 e que Nelson Mandela usou como instrumento de unificação nacional da África do Sul esteve em Portugal, em 2013, e contou o que sentiu ao entrar no local onde Mandela esteve preso 17 anos

Uma das visitas com objetivos motivacionais que a seleção sul-africana de râguebi fez durante a fase final do Mundial que venceu em 1995 foi à cela onde Nelson Mandela esteve enclausurado 17 dos 27 anos de prisão, na célebre Robben Island.

Durante uma palestra na Casa da Música, no Porto, Pienaar lembrou a estranha sensação causada pelas reduzidas dimensões do local.

"Abri os braços e consegui tocar nas paredes de ambos os lados" -,mas sobretudo o facto de Mandela, depois de ter estado ali encarcerado tantos anos, ter um discurso de perdão.

Convidado para a estreia do filme "Invictus" (filme biográfico, com Morgan Freeman no papel de Nelson Mandela e Matt Damon no de Drancois Pienaar), em Los Angeles, onde foi na companhia da mulher e dos dois filhos, Pienaar confessou o que lhe aconteceu ao ver essa cena: "Comecei a chorar descontroladamente. Só me apetecia sair da sala, o que, tratando-se da estreia, teria sido um escândalo."