José Augusto: "Manteve sempre a humildade"

José Augusto: "Manteve sempre a humildade"

"Morreu no dia em que deu tantas glórias ao clube e aos portugueses", notou o antigo companheiro de equipa, a quem Eusébio tratou por "senhor", quando chegou à Luz. Explicou-lhe logo que, ali, eram "todos iguais".Mas, o moçambicano era melhor.

O ex-futebolista José Augusto destacou, este domingo, o profissionalismo e a humildade de Eusébio, mesmo depois de este se tornar uma "lenda no país" e uma "figura do futebol mundial", e considerou que Portugal lhe deve prestar uma grande homenagem.

José Augusto disse à agência Lusa ter recebido com "muita tristeza" a notícia da morte do "pantera negra", mas recorda a "vida cheia" que teve como jogador.

"Cumpriu todos os cargos que tinha que cumprir. Teve uma carreira excecional e ímpar. Tornou-se uma lenda do nosso país e deu-lhe um nome intransponível", afirmou.

José Augusto recorda o episódio da chegada de Eusébio à Luz, com 17 anos, tratando-o por "senhor": "Tive que lhe dizer que ali não havia senhores, que éramos todos iguais, mas ele era humilde e essa humildade manteve-se durante toda a sua carreira, mesmo quando se tornou uma figura do futebol mundial".

O antigo companheiro de Eusébio considera que o país tem a obrigação de prestar uma grande homenagem a Eusébio e que este tem direito à consagração.

"Morreu a um domingo o maior jogador de futebol de Portugal de todos os tempos e morreu no dia em que deu tantas glórias ao clube e aos portugueses", sublinhou.