Pedro Proença diz-se atento à situação do Arouca e fala em "alguns excessos"

Pedro Proença diz-se atento à situação do Arouca e fala em "alguns excessos"

Presidente da Liga marcou presença na gala do Marítimo e abordou o imbróglio que se vive no Arouca.

O presidente da Liga de Clubes, Pedro Proença, disse esta quinta-feira que está atento à situação do Arouca, que foi despromovido ao Campeonato de Portugal e tem estado com as instalações fechadas.

"Temos acompanhado [a situação do Arouca]. Nestas alturas, é preciso apelar à tranquilidade. O Arouca tem sido um clube sempre cumpridor das suas obrigações. A Liga tem acompanhado de perto esta realidade, dando o apoio ao clube e a todos os parceiros e credores deste processo", assegurou, em declarações à margem da Gala do Marítimo 2019.

Ao longo da semana, tanto o treinador Quim Machado como os jogadores arouquenses têm-se deslocado ao Estádio Municipal de Arouca, mas têm encontrado as instalações encerradas.

"Penso que tem havido alguns excessos no que tem sido dito. Tenho falado diretamente com o presidente do Arouca [Carlos Pinho], a quem tenho demonstrado o nosso apoio", acrescentou.

Pedro Proença já admitiu a recandidatura à presidência da Liga e promete definir a situação a curto prazo.

"Penso que as coisas estão muito próximas de serem definidas. É preciso uma data para as eleições. A Liga será sempre aquilo que os clubes quiserem que ela seja e a palavra será dos presidentes das sociedades desportivas", afirmou.

A avançar com a recandidatura, Pedro Proença gostaria de ter apoio de vários clubes e o Marítimo é visto como um exemplo.

"A Liga conta ter o apoio do suporte do futebol profissional, em que o Marítimo é uma referência no panorama em Portugal. O mais importante é a estratégia e o projeto que possa existir de forma que os próximos quatro anos possam cimentar o que tem sido feito nos últimos tempos", referiu.

A presença nas galas do Marítimo já se tornou habitual para o presidente da Liga, que deixou um elogio à estrutura do emblema madeirense e à sua sustentabilidade no principal escalão.

"É uma gala regular de um clube histórico, como o Marítimo, e, portanto, a Liga tinha de estar presente, naquilo que é uma das suas linhas condutoras e que temos querido nas competições profissionais: um clube organizado, profissional, que soube evoluir, não só em termos humanos, mas também em infraestruturas", salientou.