FPF e UEFA pedem para serem assistentes no "caso Rui Pinto"

FPF e UEFA pedem para serem assistentes no "caso Rui Pinto"

Os requerimentos chegaram ao DCIAP no início de abril e as duas instituições pretendem intervir no processo, pedindo autorização para consultar os autos

A Federação Portuguesa de Futebol e a UEFA pediram para constituir-se assistentes no processo contra Rui Pinto, sendo representadas pelo advogado e antigo Secretário de Estado do Desporto e da Juventude, Alexandre Mestre, consultor da Abreu Advogados, sociedade que representa o Benfica no processo no qual as águias pedem uma indemnização de 17,7 milhões de euros ao FC Porto. As duas instituições pretendem aceder ao processo que envolve o alegado pirata informático com o argumento de ajudar o Ministério Público a descobrir a verdade, considerando ainda que no futuro se podem vir a dar como ofendidas.

Os requerimentos chegaram ao DCIAP no início de abril e as duas instituições pretendem intervir no processo, pedindo autorização para consultar os autos, alegando estar em causa o envolvimento de vários operadores ligadores ao futebol. Recorde-se que o alegado pirata informático está indiciado pela prática de seis crimes todos relacionados com alegado acesso ilegal a correspondência do Sporting e o fundo de investimento Doyen Sports.