Premium "Este é um futebol de carolice. As pessoas não ganham dinheiro, jogam por prazer"

"Este é um futebol de carolice. As pessoas não ganham dinheiro, jogam por prazer"
Cláudia Oliveira

O futebol popular do concelho de Espinho celebra 35 anos, numa época de mudança de paradigma

Ao chegar a Paramos percebe-se que este é um local onde o futebol é rei. A rotunda da entrada recebeu-nos com uma bola enorme. É um bom pronúncio para uma tarde de Taça do distrito. "O jogo da Taça é para a gente se divertir. Até porque o S. João de Ver é um tubarão", avisa Joaquim Coelho, treinador do Águias de Paramos há 15 dias. No complexo desportivo de Paramos, no domingo, mais que a adrenalina habitual no futebol havia a emoção de um momento histórico. No dia, oficial, em que a Associação de Futebol Popular do Concelho de Espinho (AFPCE) celebrou 35 anos, a segunda eliminatória da Taça de Aveiro opunha um emblema do futebol popular a uma equipa dos distritais de Aveiro. E esta é a primeira época em que tal acontece.